Por causa da Covid-19, sorteios do Euromilhões passam a poder ser eletrónicos

Governo decidiu "criar as condições que permitam que o sorteio também se possa realizar através de aplicação informática, garantindo a sua fiscalização por entidade independente".

A Covid-19 provocou vários condicionamentos à vida das empresas e das famílias. Até o Euromilhões foi afetado pela pandemia, tendo sido registadas dificuldades na realização dos sorteios que, até agora, têm de ser feitos de forma presencial. O Governo decidiu que, daqui para a frente, pode haver sorteios de forma eletrónica.

“As restrições em matéria de circulação e contactos entre pessoas, se bem que essenciais, adequadas e necessárias ao combate à epidemia, tiveram impacto na forma como se procede aos sorteios dos jogos sociais do Estado, nomeadamente do Euromilhões“, refere a portaria que altera o regulamento deste jogo social.

Como “não se pode inteiramente afastar a possibilidade de, no futuro, ser necessário fazer frente a desafios semelhantes aos que se viveram nestes últimos meses”, e de forma a antecipar eventuais constrangimentos ao sorteio do Euromilhões, o Governo decidiu “criar as condições que permitam que o sorteio também se possa realizar através de aplicação informática, garantindo a sua fiscalização por entidade independente”.

Assim, foi feita uma alteração que passa a prever que “os sorteios de cada concurso do Euromilhões realizam-se de forma física ou, em situações excecionais, através de aplicação informática, em dia hora e local determinados e oportunamente anunciados pelo Departamento de Jogos”.

Esta possibilidade, que em nada altera o jogo para os jogadores, passa a estar disponível a partir já desta sexta-feira, dia em que o Euromilhões apresenta um jackpot de 130 milhões de euros. “A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação”, lê-se no Diário da República.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por causa da Covid-19, sorteios do Euromilhões passam a poder ser eletrónicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião