Acordo fechado. BPI vai ocupar 80% do Monumental

O BPI vai mudar-se para o Saldanha, para o histórico Monumental. Edifício foi comprado pela espanhola Merlin Properties em 2016 por cerca de 60,5 milhões de euros.

O acordo para a nova casa do BPI em Lisboa já está fechado. O banco liderado por João Oliveira e Costa vai mudar-se para o Saldanha, para o edifício Monumental, que foi recentemente remodelado pela espanhola Merlin Properties.

A Merlin e o BPI assinaram o acordo para o banco vir a ocupar 19.500 metros quadrados de área bruta locável no histórico Monumental, na Praça Duque de Saldanha, em Lisboa. O imóvel foi alvo de profundas obras de reabilitação, que deverão ficar concluídas no próximo ano, convertendo-o na “nova referência de centralidade do mercado de escritórios da capital lisboeta”, diz a Merlin, em comunicado.

A nova “casa” do BPI terá mais de 19.000 metros quadrados de escritórios e 6.000 metros quadrados de áreas comercial, num total de 80% da totalidade do Monumental.

“É um orgulho poder ter como cliente e ocupante de tão nobre edifício, uma entidade com a notoriedade e reputação do banco BPI. Além de ser um forte sinal de que o mercado continua ativo, é para nós reconfortante saber que a nossa aposta em modernizar o edifício Monumental, tem como corolário este acordo com esta entidade”, diz João Cristina, responsável da Merlin em Portugal, citado em comunicado.

Em outubro do ano passado, João Cristina adiantou, em entrevista ao ECO, que esta reabilitação resultaria de um investimento de 30 milhões de euros e que, por isso, as rendas do edifício deveriam aumentar. A Merlin comprou este imóvel em março de 2016 por cerca de 60,5 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo fechado. BPI vai ocupar 80% do Monumental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião