Vem aí uma comissão de inquérito ao Novo Banco. Parlamento aprova propostas do BE, PS e IL

Os deputados votaram e aprovaram três propostas para a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco, depois de a auditoria da Deloitte.

O Parlamento acordou que é necessária uma comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco. Os deputados aprovaram três de quatro propostas que foram a votação nesse sentido, sendo a do Bloco de Esquerda aquela que reuniu maior consenso.

A proposta bloquista mereceu “luz verde” da unanimidade dos deputados presentes no plenário. Mas foram também aprovadas as propostas do Partido Socialista e Iniciativa Liberal, ambas, contudo, com o voto contra do PSD. A proposta do Chega foi rejeitada com votos contra do PSD e PS.

Face ao insólito da aprovação sucessiva de três comissões de inquérito, os deputados discutiram por alguns momentos a forma de fundir as três comissões numa só. Ficou acordado convocar uma conferência de líderes, com a maior “brevidade”, para juntar os objetos das três propostas e fechar um texto final.

As propostas foram apresentadas depois de conhecida a auditoria da Deloitte ao Novo Banco e das notícias que apontam para alegados conflitos de interesse e descontos avultados na venda de ativos, num contexto de prejuízos e injeções de dinheiro pelo Fundo de Resolução.

“Temos de investigar as negociatas do Novo Banco”, afirmou a deputada bloquista Mariana Mortágua no plenário. João Paulo Correia, deputado socialista, considerou que “a doença do BES passou para o Novo Banco”. “Temos de saber se estas carteiras de ativos têm sido feitas ao desbarato ou não”, rematou o parlamentar.

Já o deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, indicou que “permanecem dúvidas sobre decisões tomadas” pela administração liderada por António Ramalho. “Esclarecer, apurar, deixar em pratos limpos, é essa a nossa intenção”, concluiu.

A auditoria da Deloitte revelou perdas de mais de quatro mil milhões de euros no Novo Banco, expondo também “um conjunto de insuficiências e deficiências graves” até 2014, na visão do Ministério das Finanças.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h53)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vem aí uma comissão de inquérito ao Novo Banco. Parlamento aprova propostas do BE, PS e IL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião