OE2021: CDS diz que “orçamento cozinhado à esquerda não pode ser servido pela direita”

  • Lusa
  • 26 Setembro 2020

O presidente do CDS diz que "um Orçamento que é cozinhado pela esquerda não pode ser servido pela direita". Remeteu posição do partido para depois de ser conhecido o documento.

O presidente do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, afirmou este sábado que “um Orçamento que é cozinhado pela esquerda não pode ser servido pela direita”, mas remeteu a posição do partido para depois de conhecido o documento.

O líder centrista acrescentou que os “indícios” relacionados com o Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) “não são positivos”. “O CDS apresentará os seus contributos, vamos ver o documento e ouvir o que o Governo tem para apresentar. Mas aquilo que nasce torto tarde ou nunca se endireita. Vamos aguardar, mas o prenúncio, os indícios que temos não são positivos, sobretudo para o país”, referiu.

Na sexta-feira, o Presidente da República disse que os partidos da oposição que aspiram a liderar o Governo devem garantir a aprovação do OE2021, mesmo que a esquerda o reprove. Marcelo considerou que “normal em Portugal, desde que houve as eleições, é que haja um Governo apoiado pela esquerda”, mas afirmou que, “no caso do OE2021, se não for possível haver esse apoio à esquerda, que é o natural”, a “oposição, sobretudo a oposição que ambiciona liderar o Governo, pensará o que eu pensei como líder da oposição na altura” em que o atual chefe de Estado liderou o PSD.

Hoje, Francisco Rodrigues dos Santos referiu que o Governo optou por “um diálogo preferencial” com os partidos à sua esquerda e “não auscultou a direita” para saber quais os seus contributos para a construção do próximo OE. Para o líder do CDS, o Governo “continua acantonado à esquerda e cortou as vias de diálogo com a direita”. “Eu creio que é evidente para todos os portugueses que um Orçamento que é cozinhado pela esquerda não pode ser servido pela direita”, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2021: CDS diz que “orçamento cozinhado à esquerda não pode ser servido pela direita”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião