Aviva já tem candidatos à compra da operação em Itália

  • ECO Seguros
  • 28 Setembro 2020

Allianz, Axa e Mapfre perfilam-se como potenciais interessados nos ativos da Aviva em Itália, enquanto o grupo UniCredit estará comprador de outra parte das operações naquele mercado.

O grupo britânico de seguros está a avaliar a venda das operações (ramo Vida e seguros gerais) que detém em Itália, ponderando ao mesmo tempo propostas que lhe permitam concretizar a noticiada saída do mercado francês.

Segundo a agência Reuters, que cita fontes não identificadas, o futuro de duas joint-ventures (empresas conjuntas) através das quais a Aviva desenvolve atividade em Itália estará prestes a ser decidido. Uma das parcerias, envolvendo acordo de distribuição com o grupo bancário UniCredit expira este ano já terá deixado de vender novas apólices. Além deste negócio, a seguradora britânica tem outra parceria de bancassurance com o italiano UBI Banca, a caminho a ser tomado pelo Intesa Sanpaolo.

Os dois negócios, a parceria com o UniCredit e a distribuição de seguros gerais, desenvolvida através de uma rede de agentes no mercado italiano, estão incluídos no pacote de ativos que a Aviva pretende vender.

De acordo com uma das fontes, a operação de seguros gerais – o ativo mais atrativo da companhia britânica em Itália – interessa à alemã Allianz, à francesa AXA e à espanhola Mapfre, podendo ser transacionados (numa venda separada) por valores entre 200 milhões e 300 milhões de euros.

A operação italiana de seguros gerais representou prémios líquidos de 319 milhões de libras esterlinas (cerca de 349,5 milhões de euros ao câmbio atual) para a Aviva, em 2019. Ainda, de acordo com a agência de notícias, o UniCredit estaria disposto a tomar a parte da Aviva no negócio conjunto do ramo Vida para, mais tarde, também vender a operação.

Em França, onde a intenção venda já foi confirmada, os ativos da Aviva poderão ser adquiridos por um consórcio incluindo a Allianz e a Athora Holding (entidade com negócios no ramo Vida). Mas, segundo a Reuters, a Generali, a AXA e La Mondiale serão outros potenciais interessados na compra da Aviva France.

Os desinvestimentos da Aviva em França e Itália, junto com outras operações internacionais que a companhia britânica está a vender (por exemplo, em Singapura), enquadram-se numa reorientação estratégica do grupo para se focar apenas nos mercados do Reino Unido, Irlanda e Canadá, conforme afirmado há poucos meses por Amanda Blanc, nova CEO da Aviva Plc.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva já tem candidatos à compra da operação em Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião