Aviva France está à venda e já recebeu manifestações de interesse

  • ECO Seguros
  • 8 Setembro 2020

A Aviva Plc já colocou em marcha processo de venda da filial francesa, esperando-se que o comprador seja anunciado ainda este ano. Entre outras, Allianz, Generali e Covéa serão potenciais candidatas.

O processo de cessão marcará a saída do grupo britânico do mercado francês e foi revelado por Patrick Dixneuf, diretor-geral da Aviva France e CEO da Aviva Europe, em teleconferência que reuniu trabalhadores e cerca de um milhar de agentes gerais (MGA) da companhia. A informação veiculada aos colaboradores dissipa dúvidas sobre o que já se perspetivava, pelo menos, desde início de agosto.

A eventual venda da Aviva France vinha preocupando os 4300 trabalhadores da companhia, mas também os mais de 3 mil profissionais que orbitam a filial francesa da Aviva, entre agentes gerais, corretores parceiros e gestores de património da UFF (Union Financière de France), banco especializado em gestão de património e que é detido em mais de 70% pela Aviva.

Os receios de saída de França emergiram quando, por ocasião da apresentação do balanço semestral da companhia, Amanda Blanc, atual CEO da Aviva Plc, anunciou a reorientação estratégica do grupo britânico, com futuro focado nos mercados do Reino Unido, Irlanda e Canadá, recorda a imprensa francesa. Desde então, a Aviva France já terá recebido duas dezenas de manifestações de interesse de potenciais candidatos à aquisição das operações da companhia, avançou fonte da intersindical que reúne representantes sociais da Aviva France, da UFF e da Epargne Actuelle.

Sem que se conheçam ainda, oficialmente, os nomes de eventuais candidatos, hipotéticos montantes ou valorizações de ativos e datas para fecho de negociações, fonte do site L’Argus de l´Assurance adiantou que Allianz, Covéa, Generali e Groupama poderiam estar na corrida pelos ativos da Aviva France.

Por agora, a Aviva France escusa comentar sobre quem são os interessados. Espera-se informação mais concreta se não até final de setembro, pelo menos em meados de outubro, mês em que reúne um fórum europeu (representando Aviva UK e Irlanda e ainda as operações da Aviva em França, na Polónia, Itália e Lituânia) e, dias depois, um comité do grupo Aviva Plc.

Ativo de peso na consolidação da Aviva Plc

A Aviva France é considerada uma das 14 maiores seguradoras do mercado francês, segundo ranking elaborado pelo Argus de L’Assurance. Tendo encerrado 2019 com 7,8 mil milhões de euros de receitas e 544 milhões de euros de resultado operacional, contribuiu com 15% do ganho de exploração apurado pela Aviva Plc, números que fazem da seguradora francesa a segunda maior geradora de resultados do grupo britânico, a seguir à operação no Reino Unido, mercado doméstico da Aviva.

Acresce que a Aviva France é parceira histórica da Afer, primeira associação francesa de aforradores e pensionistas, refere a edição eletrónica do jornal Les Echos depois de, algumas semanas antes, ter antecipado a possibilidade de saída do grupo segurador britânico do mercado francês. Com 760 mil filiados, 55 mil milhões de euros de responsabilidades sob gestão e um fundo em euros com mais de 40 mil milhões de euros em carteira, a Afer representa parte importante do negócio da Aviva France.

Em resultado da compra da antiga Abeille Vie, a Aviva está com a Afer há mais de 40 anos. Mas, segundo explicam fontes especializadas, além dos constrangimentos causados pelo Brexit (processo de saída do Reino Unido da UE), a França é um mercado maduro e não oferece grande perspetiva de crescimento, em particular na ótica da rentabilidade de negócio. Acontece ainda que, um dos compromissos assumidos por Amanda Blanc reside precisamente na geração de ganhos para os acionistas da instituição britânica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva France está à venda e já recebeu manifestações de interesse

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião