PSI-20 sobe com a ajuda do BCP após sete sessões de quedas

A bolsa nacional está a valorizar no início desta semana, contrariando a tendência das últimas sete sessões em que caiu. O BCP é das cotadas que mais sobe, recuperando de mínimos históricos.

A bolsa nacional está a valorizar no início da sessão desta segunda-feira, terminando com o ciclo de sete descidas consecutivas que registou até sexta-feira. O PSI-20 sobe 0,93% para os 4.031,97 pontos, com destaque para a subida do BCP que recupera após ter renovado sucessivamente mínimos históricos.

A negociação a nível mundial está a ser beneficiada pelos sinais que chegam da China de que a economia está a recuperar de forma expressiva. Recentemente, a OCDE estimou que a economia chinesa será a única entre as maiores a crescer em 2020, aguentando o impacto da crise pandémica.

O Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, sobe quase 1%. Entre as principais bolsas europeias, o alemão DAX sobe 1,7%, o francês CAC avança 1,4%, o espanhol IBEX também soma 1,4% e o britânico FTSE sobe 0,9%.

Na Europa, os investidores aguardam com expectativa as declarações que a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, irá fazer esta segunda-feira numa reunião com os eurodeputados da Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários para o habitual “Diálogo Monetário”.

Em Lisboa, o BCP destaca-se com uma subida de 2,9% para os 8,15 cêntimos, recuperando dos mínimos históricos que tocou na sexta-feira e depois de se saber que o BCP poderá admitir uma fusão com o Montepio, de acordo com o Expresso de sábado. O BCP não quis fazer comentários e o Ministério das Finanças desmentiu que tenham acontecido reuniões “para abordar o tema do Montepio”.

A maior subida é da Semapa com 2,93% para os 7,38 euros. Segue-se ainda a Sonae com 1,75% para os 58 cêntimos, a Navigator que soma 1,55% para os 2,09 euros e os CTT que sobem 1,26% para os 2,41 euros.

A contrariar a tendência positiva do PSI-20 está apenas a Ibersol que desce 1,92% para os 5,1 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI-20 sobe com a ajuda do BCP após sete sessões de quedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião