Linha azul do metro parcialmente interrompida por “um a dois dias” após desabamento

  • ECO e Lusa
  • 29 Setembro 2020

Metropolitano de Lisboa e a Carris estão a estudar uma resposta conjunta para reforçar as ligações rodoviárias, enquanto a circulação não for retomada.

Um desabamento nas obras do Metro de Lisboa, na estação da Praça de Espanha, provocou quatro feridos ligeiros. O acidente, que não provocou vítimas mortais, aconteceu às 14h30 e levou à interrupção da circulação entre as estações de Laranjeiras e Marquês do Pombal, na linha Azul do metro.

Em causa está um abatimento de um teto entre a estação de São Sebastião e a Praça de Espanha. Segundo Carlos Castro, vereador da proteção civil de Lisboa, havia 300 pessoas nas carruagens afetadas. Entre os feridos, três eram pessoas que estavam dentro da carruagem e o quarto era um segurança do metro.

“Neste momento não estão reunidas as condições para abrir o túnel. Vão ser retomados os trabalhos para que sejam retomadas as condições de normalidade o mais rapidamente possível. De acordo com uma análise preliminar prevê-se pelo menos um a dois dias de interrupção”, explicou o vereador.

Carlos Castro diz que está a ser estudada uma resposta conjunta entre o Metropolitano de Lisboa e a Carris para reforçar as ligações rodoviárias, enquanto a circulação não for retomada.

Carris compensa com reforço em duas carreiras

A Carris vai reforçar as carreiras que fazem os percursos Marquês do Pombal – Sete Rios e Arco do Cego – Sete Rios – Pontinha, devido à interrupção de um troço da Linha Azul do Metropolitano de Lisboa.

Em comunicado, a Carris informa que “no seguimento da interrupção de circulação do Metropolitano de Lisboa, no troço Marquês de Pombal – Laranjeiras da Linha Azul”, a empresa reforçou as carreiras 746 e 726.

A carreira 746 faz o percurso Marquês do Pombal – Sete Rios e o reforço inclui o prolongamento do serviço noturno até à 01:00. A carreira 726 faz o percurso Arco do Cego – Sete Rios – Pontinha.

(Notícia atualizada às 19h39 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linha azul do metro parcialmente interrompida por “um a dois dias” após desabamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião