Nas notícias lá fora: PC chinês, Louis Vuitton e Novartis

  • ECO
  • 29 Setembro 2020

A ONU estima que os países africanos perdem o equivalente a 3,7% do PIB do continente africano em fuga de capitais ilícita. A Novartis vendeu à Siegfried as duas maiores fábricas que tinha em Espanha.

O Partido Comunista chinês quer ter mais controle sobre o setor empresarial privado para que este se alinhe com as metas do Governo. A novela Louis Vuitton/ está longe de ter chegado ao fim e esta terça-feira conheceu um novo episódio com a entrada de uma ação judicial. Veja estas e outras notícias que estão a marcar a atualidade.

Financial Times

Partido comunista chinês exerce mais poder sobre empresas privadas

Os membros de topo do partido comunista chinês estão a avisar o setor empresarial privado que as empresas particulares têm um papel a desempenhar na recuperação económica. O objetivo é exercer mais poder sobre as empresas privadas para se alinharem com as metas do Governo chinês. Para estar mais próximo dos gestores, o partido vai criar uma “equipa de representantes” do setor privado, com um particular foco em empreendedores jovens em setores tecnológicos estratégicos. Em troca, as empresas vão receber mais ajuda do Estado e igualdade de tratamento face às empresas públicas. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês).

CNBC

LVMH contra-ataca com processo à Tiffany

A Louis Vuitton anunciou esta terça-feira que entregou uma ação judicial contra a Tiffany em retaliação. Em causa está a falhada operação de aquisição de 16,2 mil milhões de dólares, a qual teria sido a maior de sempre na indústria do luxo. A LVMH continua a argumentar que as condições necessárias para a operação não se encontravam cumpridas, apelidando de falsos os argumentos avançados pela Tiffany. Leia a notícia completa na CNBC (acesso livre/conteúdo em inglês).

Cinco Días

Novartis vende as suas duas maiores fábricas em Espanha

A multinacional suíça Novartis, um dos três maiores grupos farmacêuticos do mundo vai vender as fábricas que tem em Barcelona: Barberá del Vallès e El Masnou, as duas maiores das sete que tem em Espanha. O comprador é a igualmente suíça Siegfried, uma empresa que fabrica para terceiros. A Novartis garante que vai manter os postos de trabalho na fábrica. De acordo com a multinacional, o portfolio da Novartis está a mudar e, à medida que a investigação biomédica avança e surgem terapias inovadoras, a empresa vai ajustando a sua capacidade. Leia notícia completa no Cinco Días (acesso livre/ conteúdo em espanhol)

Euroactiv

África perde 88,6 mil milhões de dólares por ano em fuga de capitais ilícita

As Nações Unidas estima que os países africanos perdem 88,6 mil milhões de dólares por ano, o equivalente a 3,7% do PIB do continente africano, em fuga de capitais ilícita. A agência das Nações Unidas que se dedica ao comércio e ao desenvolvimento considera que resolver este problema geraria capital suficiente para financiar a adaptação às alterações climáticas e a mitigação necessária. Leia a notícia completa no Euroactiv (acesso livre/conteúdo em inglês).

Politico

Polónia e Hungria criam novo instituto para avaliar Estado de direito

Com o objetivo de contrariar a versão de Bruxelas, a Polónia e a Hungria vão criar um novo instituto para avaliar como está o Estado de direito na União Europeia. Os governos polaco e húngaro argumentam que têm de assegurar que os seus países não são tratados de forma injusta pela Comissão Europeia, a qual acusam de ter um “padrão duplo”. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Péter Szijjártó, considera que a Hungria está a ser usada por alguns políticos europeus como um “saco de pancada”. Leia a notícia completa no Politico (acesso livre/conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: PC chinês, Louis Vuitton e Novartis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião