Wall Street na linha de água antes do debate entre Trump e Biden

Índices bolsistas norte-americanos arrancaram a sessão com quedas muito ligeiras, com os investidores expectantes sobre o debate entre os dois candidatos à presidência dos EUA.

Os principais índices de Wall Street arrancaram com uma tendência ligeiramente negativa esta terça-feira, com os investidores longe de fazerem grandes apostas antes do primeiro debate presidencial, enquanto aguardam uma leitura sobre a confiança dos consumidores.

O Dow Jones perde 0,09%, para os 27.560,24 pontos, enquanto o S&P 500 cai 0,02%, para os 3.350,92, e o Nasdad desce 0,08%, para 11.109 pontos.

O presidente Donald Trump e o democrata Joe Biden irão defrontar-se no seu primeiro debate televisivo de 90 minutos em Cleveland, Ohio, cinco semanas antes das eleições. As sondagens mostram Biden à frente de Trump a nível nacional e em vários Estados relevantes para a eleição.

“O mercado está com os olhos colocados no debate desta noite em busca de uma indicação sobre como vai ficar a política nos próximos 12 meses”, disse Thomas Hayes, responsável da norte-americana Great Hill Capital, citado pela Reuters.

Os analistas do Goldman Sachs antecipam que uma vitória de Biden nas eleições, juntamente com o partido democrata a controlar o Senado e a Câmara dos Representantes, seria ligeiramente benéfica para os lucros das empresas do S&P 500 até 2024.

Entre as cotadas norte-americanas, a Sorrento Therapeutics destaca-se pela positiva, com as ações a ganharem 4,5% depois de a farmacêutica ter adiantado que os seus dois candidatos a anticorpos contra a Covid-19 revelaram atividade potente contra o novo coronavírus num estudo com hamsters.

Referência ainda para a Fitbit, que acelera 5% em bolsa, depois de a Reuters ter avançado que o Google deverá ganhar a aprovação da União Europeia para a aquisição da sua fabricante de trackers de fitness.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street na linha de água antes do debate entre Trump e Biden

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião