“Ameaça de crise política foi criada artificialmente pelo primeiro-ministro e pelo Presidente”, diz João Oliveira

  • ECO
  • 30 Setembro 2020

Nas negociações para o Orçamento do Estado, o PCP não tem ainda nenhum compromisso com o PS para a viabilização do documento, aponta João Oliveira.

O líder parlamentar do PCP defende que a “ameaça de crise política foi criada artificialmente pelo primeiro-ministro e pelo Presidente” da República, em entrevista à TSF (acesso livre). João Oliveira aponta mesmo que o “Presidente da República não tem competência de aprovação ou elaboração do Orçamento do Estado” (OE).

Esta posição surge no seguimento da pressão de Marcelo Rebelo de Sousa para que o OE seja viabilizado, defendendo que o “natural” seria que passasse com os votos à esquerda, mas colocando também a responsabilidade no líder da oposição se tal não acontecer. João Oliveira aponta que a negociação do OE tem como objetivo “encontrar resposta para o país e não para encontrar respostas para uma crise política criada artificialmente”.

Quanto ao avançar das negociações, que o líder parlamentar diz que não estão a ser muito diferentes, por agora “não existem compromissos com o Partido Socialista para aprovação do Orçamento”, garantiu João Oliveira, sendo que as respostas do Governo ao PCP têm sido “umas favoráveis, outras menos desfavoráveis”. O partido, que votou contra o Orçamento Suplementar, não tem então uma decisão tomada para já quando ao OE para 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Ameaça de crise política foi criada artificialmente pelo primeiro-ministro e pelo Presidente”, diz João Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião