Bruxelas com “sérias preocupações” por ataques a tribunais e media na Hungria e Polónia

  • Lusa
  • 30 Setembro 2020

Em causa está o relatório anual sobre a situação do Estado de direito na UE, no qual Bruxelas realça que “existem sérias preocupações” no cumprimento dos valores, principalmente na Hungria e Polónia.

A Comissão Europeia manifestou esta quarta-feira “sérias preocupações” com a pressão e ataques aos tribunais e à imprensa pelos governos da Hungria e Polónia, dois países da União Europeia com procedimentos abertos por violação do Estado de direito.

Em causa está o primeiro relatório anual sobre a situação do Estado de direito em UE, divulgado esta quarta-feira, no qual o executivo comunitário realça que, relativamente a alguns Estados-membros, “existem sérias preocupações” no cumprimento destes valores europeus, principalmente na Hungria e Polónia.

Uma dessas preocupações reside no “impacto das reformas na independência judicial”, nomeadamente no que toca à Hungria, com Bruxelas a realçar que “o Conselho Judicial Nacional independente enfrenta desafios no contrapeso dos poderes do presidente do Gabinete Nacional da Magistratura responsável pela gestão dos tribunais” e a questionar as novas regras de “nomeação para o Supremo Tribunal de membros do Tribunal Constitucional”.

No que toca à Polónia, o executivo comunitário assinala que “as reformas da justiça desde 2015 têm sido uma enorme fonte de controvérsia, tanto a nível interno como a nível da UE, e têm suscitado sérias preocupações, várias das quais persistem”. Acresce que tais medidas “aumentaram a influência política sobre o sistema judicial”, indica o relatório.

A corrupção nestes dois países também preocupa Bruxelas, que afirma no documento que, embora haja julgamentos a este propósito na Hungria, “estes continuam a ser muito limitados”, existindo assim “uma falta consistente de ação determinada para iniciar investigações criminais e processar casos envolvendo funcionários de alto nível ou o seu círculo imediato quando surgem acusações graves”.

Relativamente à Polónia, “o duplo papel em que o Ministro da Justiça é também o Procurador-Geral da República suscita preocupações especiais, uma vez que aumenta a vulnerabilidade à influência política no que diz respeito à organização do Ministério Público e à investigação de casos”, critica Bruxelas.

O comportamento de Budapeste e de Varsóvia relativamente aos meios de comunicação também é criticado, destacando o relatório “algumas preocupações relativamente ao risco de politização” das autoridades nacionais de media.

Além disso, na Hungria, a “ausência de legislação e transparência na distribuição da publicidade estatal […] abriu a porta para o governo exercer influência política indireta sobre os meios de comunicação social”, o que se tornou mais evidente com a fusão de mais de 470 meios de comunicação social favoráveis ao governo através do conglomerado KESMA.

A Comissão Europeia conclui, por isso, que “os jornalistas e outros atores dos meios de comunicação social enfrentam cada vez mais ameaças e ataques”, não só na Hungria, como também na Bulgária, Croácia, Eslovénia e Espanha.

No que toca às organizações da sociedade civil, é assinalada no relatório a controversa lei húngara sobre o financiamento destas entidades, que “é incompatível com a livre circulação de capitais, bem como com o direito à liberdade de associação e os direitos à proteção da vida privada e dos dados pessoais”.

Já na Polónia, a Comissão Europeia critica no relatório as recentes “ações do governo dirigidas aos grupos LGBTI+ [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgénero e Intersexo], incluindo a detenção de alguns dos representantes dos grupos, e as campanhas de difamação conduzidas contra esses grupos”.

A Comissão Europeia ativou, em 2017 contra a Polónia e em 2018 contra a Hungria, o procedimento conhecido como o artigo 7.º do Tratado de Lisboa, que contempla sanções aos Estados-membros se houver um risco claro de violação grave dos valores em que se baseia a UE.

Este primeiro relatório anual sobre o Estado de direito na UE estava previsto ser lançado em setembro, mas devido ao Conselho Europeu desta semana, fontes comunitárias indicaram à Lusa que o documento iria ser publicado só na segunda-feira.

Entretanto, a divulgação foi apressada para esta quarta-feira depois de o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, ter exigido a demissão da vice-presidente da Comissão Europeia Vera Jourová, após esta ter, numa entrevista, considerado a Hungria como uma “democracia doente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas com “sérias preocupações” por ataques a tribunais e media na Hungria e Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião