Von der Leyen avisa que dívida pública “terá de descer”

  • ECO
  • 30 Setembro 2020

"Neste momento concreto de crise, flexibilizámos totalmente o Pacto de Estabilidade e Crescimento. E agora, durante a pandemia, não é altura para mudar nada neste domínio", diz Ursula von der Leyen.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, avisa que, “no longo prazo, todos teremos de ser cuidadosos em relação à dívida”. Mas para já nada vai mudar na flexibilizam do Pacto de Estabilidade e Crescimento, garante em entrevista ao Diário de Notícias (acesso pago).

“Neste momento concreto de crise, flexibilizámos totalmente o Pacto de Estabilidade e Crescimento através do acionamento da cláusula geral de salvaguarda. E agora, durante a pandemia, não é altura para mudar nada neste domínio. Mas, no longo prazo, todos teremos de ser cuidadosos em relação à dívida. Esta terá de descer, os países no seu conjunto terão de reduzir as suas dívidas. Mas o melhor remédio contra a dívida é uma economia forte, é o crescimento económico sustentável e ecológico”, sublinhou Von der Leyen.

Para a presidente da Comissão Europeia o “Plano de Recuperação de Portugal, tal como os dos restantes países membros, vai ser feito à medida do país, mas a Comissão Europeia defende que há três pontos a cumprir” e, por isso, defende que “têm de ser respeitadas as recomendações específicas por país: combater as alterações climáticas, isto é, de investir no Pacto Ecológico de modo a atingir a neutralidade climática e cumprir as metas no campo da digitalização, como infraestruturas, 5G, 6G, fibra, economia de dados, inteligência artificial”. Ursula von der Leyen confirmou ainda que a Comissão já está “a trabalhar de forma muito próxima com o Governo português” na elaboração do plano nacional e por isso está “muito confiante de que o país vai ser bem-sucedido”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Von der Leyen avisa que dívida pública “terá de descer”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião