Inflação foi negativa em setembro, mas preço dos bens alimentares sobe 4%

A taxa de inflação dos bens alimentares não transformados está acima dos 4% enquanto a dos produtos energéticos está nos -5,5%.

Os preços no consumidor em Portugal baixaram 0,1% em setembro face ao mesmo mês do ano passado, segundo os dados preliminares revelados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Apesar da queda generalizada dos preços, a taxa de inflação nos produtos alimentares não transformados foi superior a 4%.

“Tendo por base a informação já apurada, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá sido -0,1% em setembro de 2020, valor inferior em 0,1 pontos percentuais (p.p.) ao registado em agosto”, lê-se no destaque do INE. Em agosto, a inflação tinha sido nula (0%).

Apesar de a inflação ser negativa no conjunto do cabaz, há diferenças dentro das várias categorias. No caso dos produtos alimentares não transformados, a inflação fixou-se nos 4,22%, em termos homólogos. Por outro lado, os preços dos produtos energéticos estão 5,5% abaixo dos valores registados em setembro do ano passado.

A variação mensal (entre julho e agosto) do IPC foi de 1%. A média dos últimos 12 meses até setembro coloca a inflação nos 0,1%.

Já o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português, o indicador utilizado pelo Eurostat para comparar a evolução dos preços nos vários Estados-membros, fixou-se nos -0,7%, o que compara com -0,2% em agosto.

Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de setembro serão publicados no próximo dia 13 de outubro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação foi negativa em setembro, mas preço dos bens alimentares sobe 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião