Covid-19: Redução dos prémios de seguros atingiu 32%

  • ECO Seguros
  • 4 Outubro 2020

Presidente da ASF revelou a deputados que as designadas moratórias dos seguros já custaram 7,5 milhões de euros às companhias só até agosto. Seguro automóvel foi o mais procurado.

Margarida Corrêa de Aguiar, Presidente da ASF, revelou perante a Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República que as seguradoras portuguesas prescindiram de cerca de 7,6 milhões de euros de receitas para cumprir o decreto lei normalmente designado por moratórias de seguros em resultado da resposta à pandemia de Covid-19. A maior redução dos prémios deu-se no seguro automóvel e chegou a atingir 32% do valor devido pelos segurados devido a inatividade dos veículos e consequente redução do risco.

As declarações foram realizadas no âmbito das audições anuais aos supervisores do setor financeiro.

Segundo a presidente da ASF, até ao final de agosto passado o regime de pagamento de prémio mais favorável significou uma poupança de 3,175 milhões de euros aos segurados, a maior parte respeitante a seguro automóvel. Também este ramo, em conjunto com o ramo incêndio e outros danos – que inclui os multirriscos – fez as companhias conceder quase 4 milhões de euros em prorrogação de pagamentos por 60 dias aos seguros obrigatórios. Esta medida teve impacto em 32% do total da carteira de seguros automóvel e de 29% do total da carteira Incêndio.

As reduções de prémio de seguro chegaram a atingir 32% do valor no caso de atividades suspensas ou com redução de atividade significativa, sendo que 97% dos casos que totalizaram 388 milhões de euros também se registaram no seguro automóvel.

O fracionamento dos prémios sem custos adicionais, igualmente com maior relevância no seguro automóvel, significou uma montante reduzido e deveu-se na sua maioria, e uma vez mais, a solicitações de segurados do ramo automóvel.

As audição anual ao supervisore do do setor segurador foi realizada pela 5ª Comissão Permanente da Assembleia da República (Economia e Finanças) presidida pelo deputado Filipe Neto Brandão (PS) e estiveram presentes os deputados Duarte Alves (PCP), Hugo Carneiro (PSD), Mariana Mortágua (BE), Sara Madruga da Costa (PSD) e Vera Braz (PS).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Redução dos prémios de seguros atingiu 32%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião