Finerge notifica Concorrência da compra de parques solares à Luxbon Solar

  • Lusa
  • 7 Outubro 2020

Os seis parques solares comprados à Luxbon Solar têm "uma capacidade instalada de 17,8 MW, gerando uma faturação de oito milhões de euros por ano", segundo a empresa.

A produtora de energia renovável Finerge notificou a Autoridade da Concorrência (AdC) da compra de seis parques solares, em Lisboa, com 17,8 megawatts (MW)de capacidade instalada, à Luxbon Solar, revela um aviso publicado.

O negócio, notificado na terça-feira à AdC, foi efetuado pela Finerge Estrela, empresa do grupo de produção de energia renovável, que comprou o controlo exclusivo sobre a empresa portuguesa Rose-HS1, detida e controlada em exclusivo pela Luxbon Solar e cuja atividade principal é avaliar e desenvolver infraestruturas, serviços, projetos e estudos de energias renováveis.

O grupo Finerge tinha anunciado, há uma semana, em comunicado, a compra de seis parques solares à Luxbon Solar, em Lisboa, mas não revelou o montante envolvido no negócio. “A Finerge chegou a acordo para a aquisição de seis parques solares à Luxbon Solar, S.A., situados na região da Grande Lisboa e com uma capacidade instalada de 17,8 MW, gerando uma faturação de €8m/ano”, divulgou em comunicado.

O negócio, segundo explicou a empresa na altura, representa um aumento de 47% da capacidade instalada de energia solar da Finerge, que detém seis centrais fotovoltaicas em Espanha, e pretende assim diversificar o portefólio, onde predomina a energia eólica.

A compra à Luxbon Solar surgiu depois de, em abril, o grupo Finerge ter notificado a AdC da sua entrada no negócio da energia solar em Portugal, através da compra de quatro centrais fotovoltaicas à Glenmont Partners, uma sociedade gestora, com sede no Reino Unido, especializada em ativos de geração de energias renováveis.

A Finerge dispõe atualmente de 46 parques eólicos e 10 parques solares em Portugal, bem como uma capacidade instalada de 47,6 MW.

Fundada em 1996, a empresa tem 659 aerogeradores instalados nas 53 centrais eólicas que explora e nas 16 centrais solares e fotovoltaicas na Península Ibérica. No total, a empresa tem uma capacidade instalada de 1.339 MW, produzindo cerca de 3.200 gigawatts por hora (GWh) ao ano, e emprega, direta e indiretamente, sensivelmente, 200 trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finerge notifica Concorrência da compra de parques solares à Luxbon Solar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião