Portugal quer até 2.500 milhões em dívida de curto prazo até ao fim do ano

IGCP vai continuar com leilões de obrigações do Tesouro, mas tem já definido o montante pretendido em títulos de curto prazo. Deverá também voltar às OTRV.

Portugal vai continuar a realizar leilões de dívida de longo prazo neste último trimestre do ano, mas fará apenas duas operações do género no que respeita aos títulos de curto prazo. IGCP pretende até 2.500 milhões em bilhetes do Tesouro.

De acordo com o programa de financiamento do Estado, a agência liderada por Cristina Casalinho pretende realizar dois leilões duplos de títulos de dívida com maturidade até 12 meses, um a 21 de outubro e outro a 18 de novembro.

Na primeira destas duas operações emitirá títulos com prazo de três e 11 meses, já na segunda fará leilão com maturidades a seis e 12 meses. Em cada um deles, o montante indicativo varia entre 1.000 e 1.250 milhões de euros.

Adicionalmente, o IGCP “prevê emissões de Obrigações do Tesouro através de leilões, sendo esperadas colocações de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão”, diz em comunicado. “Os leilões de OT terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro”, nota.

O IGCP deverá ainda realizar neste último trimestre do ano uma emissão de dívida de longo prazo para os investidores de retalho, através das Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) num montante de 1.000 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal quer até 2.500 milhões em dívida de curto prazo até ao fim do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião