Portugueses queixaram-se mais da banca durante a pandemia. Na maioria das vezes, sem razão

O número de reclamações feitas pelos clientes bancários ultrapassou as dez mil no primeiro semestre, mas mais de metade das queixas não tinha fundamento, concluiu o Banco de Portugal.

O número de reclamações feitas pelos clientes bancários aumentou 12,5% no primeiro semestre deste ano, com os depósitos a liderarem as principais razões. Foram mais de dez mil reclamações, com as moratórias a merecerem do crédito destaque. Contudo, o Banco de Portugal (BdP) concluiu que em 62,5% dos casos não foram detetados quaisquer indícios de infração por parte da instituição bancária.

Entre janeiro e julho, o regulador recebeu 10.184 reclamações, o equivalente a uma média de 1.700 queixas por mês, de acordo com o Relatório de Supervisão Comportamental do BdP, publicado esta quinta-feira. Estes números equivalem a um aumento de 12,5% face à média observada em todo o ano passado, refere o documento.

Como não poderia deixar de ser, a pandemia também contribuiu para esta subida. “Excluindo as reclamações sobre matérias relativas à pandemia de Covid-19, o aumento [de queixas] foi de 2,6%”, refere a instituição liderada por Mário Centeno.

Reclamações derivadas de moratórias de crédito entre março e agosto

Reclamações derivadas de moratórias de crédito entre março e agosto | Fonte: Banco de Portugal

À semelhança dos anos anteriores, os depósitos, o crédito aos consumidores e o crédito à habitação foram os assuntos mais reclamados, contudo, este ano, as moratórias de crédito representaram 10% de todas as queixas feitas até agosto. Em comparação com a média semestral do ano passado, o número de reclamações nos depósitos bancários aumentou de 16 para 18 por cada 100 mil contas; de 18 para 21 por cada 100 mil contas no crédito aos consumidores e no crédito à habitação de 50 para 60 por cada 100 mil contratos.

Contudo, tal como aconteceu no ano passado, o BdP não detetou qualquer tipo de infração na maioria das reclamações recebidas. 62,5% das queixas não tinham fundamento, “sendo que nas restantes reclamações a situação reclamada foi resolvida por iniciativa do intermediário de crédito ou na sequência da atuação do Banco de Portugal”, refere o documento.

Na sequência destas reclamações, e depois de feita uma fiscalização às atividades desenvolvidas pelo banco em questão, o BdP emitiu 1.310 determinações específicas e recomendações, dirigidas a 141 instituições de crédito e sociedades financeiras. Entre os temas mais visados nessas determinações e recomendações estão o crédito aos consumidores (314) e moratórias de crédito (278), visando, em particular, a correção de irregularidades relacionadas, em ambos os casos, com o cumprimento de deveres de informação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugueses queixaram-se mais da banca durante a pandemia. Na maioria das vezes, sem razão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião