AIE espera que consumo de petróleo recupera a níveis pré-pandemia em 2023 se economia recuperar rápido

  • Lusa
  • 13 Outubro 2020

O diretor geral da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, confirmou que "a era do crescimento (do petróleo) chegará ao fim nos próximos dez anos".

O consumo mundial de petróleo voltará em 2023 ao máximo atingido em 2019 se houver uma rápida recuperação económica, segundo a Agência Internacional de Energia que considera que esta próxima década será a última de crescimento da procura de petróleo.

Num cenário em que a recuperação económica levaria mais tempo e o Produto Interno Bruto (PIB) global não seria igual ao de 2019 até 2023, o consumo de petróleo não voltaria ao nível anterior à crise da covid-19 até 2027, afirmou esta terça-feira a AIE na apresentação do seu relatório anual de perspetivas.

O diretor geral da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, confirmou que “a era do crescimento (do petróleo) chegará ao fim nos próximos dez anos” e insistiu que são necessárias medidas por parte dos governos para evitar tal aumento.

Birol observou que as vendas de veículos elétricos (cujos motores não utilizam derivados de petróleo) este ano serão de 2,5% do total, mas ao mesmo tempo os SUV, que pelo seu peso consomem mais combustível, representarão 42%.

A fim de alcançar um volume zero de emissões líquidas de dióxido de carbono (CO2) até 2050 que limitaria o aquecimento global a 1,5 graus Celsius, a AIE acredita que é necessária uma mudança radical nas políticas energéticas nos próximos dez anos, particularmente para favorecer as energias renováveis em detrimento dos combustíveis fósseis.

Birol salientou que “a crise da covid-19 perturbou o setor energético mais do que qualquer outro acontecimento da história e afirmou que pessoalmente acredito que esta crise vai deixar cicatrizes por muitos anos.

De acordo com as estimativas da agência, a procura de energia diminuirá globalmente 5% este ano, com o petróleo a cair 8%, o carvão 7% e o gás natural 3%, enquanto que haverá um ligeiro aumento das energias renováveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AIE espera que consumo de petróleo recupera a níveis pré-pandemia em 2023 se economia recuperar rápido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião