Flatio compra NomadX e expande operação em Portugal

A plataforma europeia de aluguer de médio-prazo comprou o marketplace fundado em Portugal que se dedica ao alojamento de viajantes, nómadas digitais e trabalhadores remotos.

A Flatio, plataforma europeia de aluguer de imóveis a longo prazo, acaba de comprar a NomadX, um marketplace de imóveis para viajantes incubado na Startup Lisboa, para expandir a sua operação em Portugal.

“A operação dará aos proprietários portugueses o acesso a um público alvo em rápido crescimento: os trabalhadores remotos que viajam por períodos mais longos, nómadas digitais, profissionais e estudantes, ao mesmo tempo que apoia os inquilinos locais, que representam 20% do mercado de Flatio”, explica a empresa em comunicado.

“Acreditamos que esta aquisição vai ajudar-nos a acelerar o crescimento em Portugal como um dos principais destinos de trabalho remoto e nómadas digitais da Europa. Esperamos que Lisboa se torne rapidamente um dos mercados de melhor desempenho nos próximos anos”, explica o checo Radim Rezek, CEO da Flatio.

A pandemia fez a Flatio crescer: os números da empresa apontam para um aumento de 20% no número de reservas globais e um crescimento de mais de 30% do número global de proprietários nos primeiros três trimestres deste ano, face ao mesmo período do ano passado. A NomadX, direcionada para viajantes, trabalhadores remotos e nómadas digitais, foi fundada em Lisboa e está avaliada em cerca de quatro milhões de euros.

A Flatio está presente em 60 cidades e mais de 17 países em todo o mundo, tendo cerca de meio milhão de utilizadores únicos. Entre os seus principais mercados estão as cidades de Praga e Budapeste.

Em termos práticos, a compra da NomadX pela Flatio fará com que, em Portugal, as listagens, gestão e transações imobiliárias de ambas as empresas sejam centralizadas na plataforma de tecnologia da Flatio “após um período de transição de várias semanas”. “O mercado de habitação da marca NomadX continuará a existir (em Lisboa, Porto, Aveiro, etc…), mas alimentado pela Flatio e expandindo para todos os mercados onde a Flatio já está presente”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Flatio compra NomadX e expande operação em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião