Casa do Impacto e The Fintech House juntam-se para aproximar fintechs e startups de impacto

"Casas" de startups de impacto e de fintech juntam-se para organizar eventos, mentoria e networking. Querem mostrar que impacto e investimento podem estar cada vez mais em ligação.

A Casa do Impacto e a The Fintech House decidiram “juntar trapinhos” e criar uma parceria que permita às duas casas — um hub de empreendedorismo e inovação para projetos de impacto e a incubadora da Portugal Fintech para a indústria financeira, respetivamente — trabalhar em conjunto para potenciarem as respetivas redes em prol de um objetivo comum. A ideia é que, a partir desta parceria, nasçam eventos, programas de mentoria e networking, de maneira a aproximar cada vez mais a tecnologia, a indústria financeira e o impacto.

“Ainda existe este preconceito de pensar que fintech é só para ganhar dinheiro e que impacto é só voluntariado. A ideia desta parceria começa pelo propósito das duas casas — apoiar as startups — e, juntando as duas forças, ampliar essa ajuda e essa rede. E, claro, acabar com essa ideia porque há soluções de impacto que ganham muito dinheiro e apoiam as suas causas, e muitas fintechs que ganham muito dinheiro e têm muito impacto”, conta, ao ECO, Marco Nigris, managing director da The Fintech House.

Ainda existe este preconceito de pensar que fintech é só para ganhar dinheiro e que impacto é só voluntariado.

Marco Nigris

Managing director da The Fintech House

Para Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto, a parceria vem colmatar a distância existente entre as duas realidades. “Queremos organizar eventos de sensibilização para que os dois ecossistemas se encontrem mais, se cruzem, e que funcionem como evangelização e de sensibilização para ângulos em que ambos se tocam. O que queremos fazer é parcerias, algumas com empresas tecnológicas, para fomentar o impacto”, assinala, acrescentando: “O potencial de negócio existe nas startups de Impacto social ou ambiental, na mesma medida que existe numa startup tecnológica. E é aí que se prende o desafio — trazer uma ‘drive‘ de impacto para todos os negócios.”

Fundada em 2018, a Casa do Impacto investiu cerca de 1,5 milhões de euros nos seus dois anos de atividade em projetos de impacto. O espaço onde desenvolve atividades, que pertence à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, integra escritórios, cowork, atividades de formação e experimentação, e programas de investimento.

Inaugurada em janeiro deste ano, a The Fintech House é um espaço da Portugal Fintech criado para juntar os players necessários para a existência de um polo internacional para a inovação tecnológica na indústria financeira. Atualmente, conta com 40 startups, entre incubadas físicas e virtuais, entre as quais cerca de 70% fundadas por portugueses.

“Hoje a Casa do Impacto e a The Fintech House são dois mundos separados, mas a ideia é criar iniciativas em conjunto, começar com eventos mas ter mentoria, workshops, e partilhar a rede de empresas que temos à volta das duas casas, para que a comunidade de impacto possa beneficiar da de fintech, e o contrário”, acrescenta Marco Nigris.

A apenas dez minutos de distância a pé, as duas casas organizam o primeiro evento em conjunto já esta quinta-feira. O evento “The two houses of Lisbon: Where Fintech meets Impact” acontece no Zoom e no Facebook da Casa do Impacto, a partir das 11h30, e conta com nomes do mundo dos pagamentos, governance e do impacto Marco Barbosa, cofundador da eSolidar e ImpactMarket, Nuno Brito Jorge, cofundador e CEO da GoParity, Bernardo Gonçalves, fundador da MyPolis, Sasha DeWitt, cofundadora e COO da Habit Analytics, Inc e com a moderação de Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto e de Marco Nigris, diretor da The Fintech House.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casa do Impacto e The Fintech House juntam-se para aproximar fintechs e startups de impacto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião