Portugal Ventures investe em seis novas startups. Investimento de 3,7 milhões de euros

  • ECO e Lusa
  • 12 Dezembro 2019

Portugal Ventures investiu em seis novas startups, num montante global de 3,7 milhões de euros. Este ano a empresa apoiou um total de 28 startups ao investir 15,6 milhões de euros.

A Portugal Ventures anunciou esta quinta-feira que investiu em seis novas startups, num montante global de 3,7 milhões de euros, elevando para 28 o número destas empresas apoiadas este ano, num total de 15,6 milhões de euros investidos.

As startups (empresas em início de atividade) são a Didimo, Digital Manager Guru, Doppio, LUGGit, Mercadão e a Refundit, refere em comunicado a sociedade pública de capital de risco que investe em startups com sede ou atividade em Portugal e com ambição global.

“O ano de 2019, foi sem dúvida importante para a atividade da Portugal Ventures com o seu melhor registo quer no número de empresas, quer no montante de investimento, com um total de 28 startups e 15,6 milhões de euros investidos”, lê-se no comunicado.

Didimo recebe seis milhões para criar humanos digitais

A Didimo é um spin-off da Universidade do Porto que desenvolve uma tecnologia que permite criar seres humanos digitais de alta-fidelidade em apenas 30 segundos, a partir de uma fotografia ou digitalização para o smartphone. A operação teve o coinvestimento da Bynd Venture Capital. A tecnologia da Didimo cria personagens 3D personalizadas. Cada pessoa pode depois usar esta versão digital de si mesma para se conectar de forma inovadora com o que a rodeia, em áreas como jogos, compras e comunicação de realidade mista.

Verónica Orvalho, fundadora e CEO da Didimo.Didimo

“A nossa missão com a plataforma Didimo é derrubar as barreiras entre os mundos físico e digital, ajudando os humanos a transportarem-se através dessa divisão. Queremos dar a todos a hipótese de usar a tecnologia com base na imagem que conhecemos melhor — a nossa”, refere Verónica Orvalho, fundadora e CEO da Didimo, em comunicado.

Já a Digital Manager Guru é uma plataforma para quem vende ou deseja vender pela internet.

A Doppio Games, por sua vez, foi fundada em 2018 e é especializada em jogos controlados por voz, enquanto a startup LUGGit é uma plataforma tecnológica que, através de uma aplicação móvel (disponível em iOS e Android) permite a quem viaja requisitar em tempo real uma pessoa para lhe recolher a bagagem, guardá-la e entregá-la no sítio e hora definidos.

O Mercadão é o primeiro marketplace on-demand em Portugal, com entregas em duas horas e acompanhamento em tempo-real da encomenda.

A startup Refundit é uma plataforma para reembolso do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) para cidadãos extracomunitários, simplificando e digitalizando o atual processo que irá eliminar o papel e as filas. A operação teve o coinvestimento da Amadeus Ventures.

LUGGit recebe 400 mil euros e prepara internacionalização

Vencedora do programa de aceleração Newton, em fevereiro, incubada na Startup Lisboa e na UA Incubator, a LUGGit lançou-se em Lisboa em julho e no Porto em outubro deste ano. O investimento de 400 mil euros da Portugal Ventures vai servir para aumentar a equipa e implementar a operação na terceira cidade, fora de Portugal.

A LUGGit é uma aplicação móvel que permite a quem viaja requisitar um condutor em tempo real para que a sua bagagem seja recolhida e entregue no sítio e hora escolhidos pelo utilizador. A próxima versão da aplicação estará disponível ainda este ano e terá como principal melhoria a consulta do preço do serviço quando os viajantes se encontram ainda nos seus países de origem.

“Temos um grande potencial de mercado: somos a única solução à escala mundial que resolve este problema desta forma, com um modelo de negócio disruptivo e escalável. Para além disso, mostrámos que a nossa equipa tem ambição, visão e capacidade de execução”, explica Ricardo Figueiredo, um dos quatro fundadores da LUGGit.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures investe em seis novas startups. Investimento de 3,7 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião