OPEP diz que procura por petróleo vai estabilizar no final da década

Cartel dos maiores produtores de petróleo mudou significativamente a sua previsão: a procura vai estabilizar no final desta década e poderá mesmo começar a cair.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a organização que reúne os maiores produtores de “ouro negro” do mundo, mudou significativamente a sua previsão para aquilo que será a procura por petróleo nos próximos anos: o consumo deverá estabilizar no final da década e poderá depois começar a cair, perante um impacto duradouro da crise pandémica na economia e nos hábitos dos consumidores.

Esta previsão consta no relatório “2020 World Oil Outlook” elaborado pela OPEP, e surge numa altura em que um número crescente de outras previsões aponta no sentido de que a pandemia poderá ter representado o ponto de inflexão na procura petrolífera.

De acordo com a OPEP, o consumo de petróleo irá subir para 107,2 milhões de barris por dia em 2030, face aos 90,7 milhões diários em 2020, 1,1 milhão de barris por dia abaixo da sua previsão de 2030 no ano passado e mais de 10 milhões de barris por dia abaixo da sua previsão de 2007 para 2030.

A procura mundial irá crescer a taxas relativamente saudáveis durante a primeira parte do período de previsão antes de estabilizar na segunda metade“, refere o relatório, que olha para um período entre 2019-2045.

“A procura futura irá continuar persistentemente abaixo das últimas projeções devido aos efeitos duradouros dos encerramentos relacionados com a Covid-19 e o seu impacto na economia global e no comportamento dos consumidores”, adianta ainda.

Ainda que o consumo de petróleo para abastecimento dos automóveis, camiões e indústria recupere à medida que as economias também regressa à normalidade, a OPEP teme que o aumento da procura possa ser afetado por fatores que vieram com a pandemia, como o teletrabalho e teleconferências, assim como as melhorias de eficiência e a mudança para os carros elétricos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPEP diz que procura por petróleo vai estabilizar no final da década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião