McDonald’s tem 100 mil euros para ajudar trabalhadores a pagar o ensino superior

O programa da McDonald's Portugal, criado em 2008, foi reforçado devido à pandemia. Vai atribuir 200 bolsas de estudo a trabalhadores que queiram ingressar ou concluir cursos no ensino superior.

A cadeia de restaurantes McDonald’s Portugal tem 100 mil euros em bolsas de estudo para ajudar os trabalhadores a pagarem as propinas para ingressarem ou finalizarem cursos superiores. Devido à pandemia, a empresa reforçou o apoio e vai disponibilizar 200 bolsas, de 500 euros, que abrangem todos os trabalhadores dos 177 restaurantes, explica a organização em comunicado. Este ano, será atribuída, no mínimo, uma bolsa de estudo por restaurante.

“Este apoio financeiro tem como objetivo incentivar os colaboradores a ingressar ou a concluir uma licenciatura na sua área de eleição, bem como contribuir para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Trata-se de um apoio da marca, cujo objetivo é valorizar os seus colaboradores e apoiá-los a seguirem o rumo que mais desejarem“, lê-se na página oficial da McDonald’s Portugal.

“No atual contexto difícil em que vivemos, o nosso compromisso com as nossas pessoas sai reforçado: continuamos a cuidar e a apoiar, através da formação, da flexibilidade e gestão de horários, bem como da valorização e reconhecimento“, refere a diretora de recursos humanos da McDonald’s Portugal, Sofia Mendoça, citada em comunicado.

A formação é um dos três pilares da campanha “We care about our People” da McDonald’s, que inclui ainda políticas de flexibilidade e valorização. Anualmente, o McDonald’s Portugal proporciona 50 mil horas de formação anuais no seu próprio centro de formação.

 

A campanha de comunicação das bolsas de estudo tem como protagonistas três colaboradores da marca que representam os cerca de 8.500 colaboradores da empresa em Portugal, em 177 restaurantes, no continente e ilhas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

McDonald’s tem 100 mil euros para ajudar trabalhadores a pagar o ensino superior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião