Jerónimo Martins, Navigator e Cimpor entre as empresas responsáveis por 25% das emissões globais

  • Lusa
  • 13 Outubro 2020

As três empresas portuguesas integram uma lista de 1800 companhias "responsáveis por 13,5 gigatoneladas de emissões por ano, o equivalente a 25% do total global de emissões".

As portuguesas Jerónimo Martins, Navigator e Cimpor estão entre as mais de 1.800 empresas mundiais responsáveis por 25% das emissões de gases com efeito de estufa que são alvo de um apelo para cumprir metas de redução.

Segundo um comunicado da CDP, uma organização internacional sem fins lucrativos que tem por objetivo a divulgação ambiental, 137 instituições financeiras globais, entre as quais as seguradoras AXA e Allianz, e que em conjunto representam ativos de 20 biliões de dólares, apelam a que estas mais de 1.800 empresas cumpram metas de redução de emissões de gases que permitam travar o aquecimento global em 1,5 graus Celsius e atingir as zero emissões em 2050, o mais tardar.

O apelo é divulgado esta quarta-feira pela CDP, no âmbito de uma campanha de envolvimento na ação climática e enviado às milhares de empresas na lista das mais poluentes, onde para além das três portuguesas se encontram companhias como a Tesla.

“Juntas são responsáveis por 13,5 gigatoneladas de emissões por ano, o equivalente a 25% do total global de emissões. Em toda a sua cadeia de valor, estas empresas têm influência num volume mais de três vezes superior de emissões acumuladas”, lê-se no comunicado da organização sem fins lucrativos, hoje divulgado.

O apelo das instituições financeiras é para que estas empresas mais poluentes se comprometam com metas baseadas na ciência para garantir uma verificação independente.

“Isto permite a investidores e empresas elevar a sua ambição climática de maneira a ser avaliada de forma uniforme e comparável”, refere o comunicado.

Mais de um milhar de empresas em todo o mundo já se comprometeram com metas de redução de base científica, entre as quais 300 que se comprometeram com o objetivo de reduzir o aquecimento global em 1,5 graus Celsius assinando a carta de compromisso para o efeito.

Reduzir as emissões das cadeias de valor em conjunto com a ciência climática pode aumentar a resiliência e competitividade das empresas, ajudar à inovação, responder a ajustes dos reguladores e aumentar a confiança dos investidores, refere o comunicado.

O diretor para os mercados de capitais da CDP Europa, Laurent Babikian, disse, citado no comunicado, que a organização sem fins lucrativos está encantada com o facto de “tantos investidores europeus de envergadura reconhecerem a importância para as empresas de definir metas de base científica” para travar o aquecimento global e descarbonizar a economia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins, Navigator e Cimpor entre as empresas responsáveis por 25% das emissões globais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião