Porto de Lisboa capaz de fornecer energia elétrica aos navios no próximo ano

  • Lusa
  • 13 Outubro 2020

O OE2021 prevê “a aposta no abastecimento de gás natural liquefeito e no fornecimento de energia elétrica a navios, no cumprimento das diretivas da União Europeia.

O Porto de Lisboa, em especial o terminal de cruzeiros, vai ter a capacidade de fornecer energia elétrica aos navios acostados no próximo ano, o que evita o uso dos geradores próprios que usam combustíveis poluentes.

De acordo com a Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), entregue na segunda-feira na Assembleia da República, “em 2021, dotar-se-á o porto de Lisboa, e em especial o terminal de cruzeiros, de capacidade de fornecer energia elétrica aos navios acostados (‘shore to ship’), evitando o uso dos geradores próprios que consomem combustíveis poluentes”.

O OE2021 prevê “a aposta no abastecimento de gás natural liquefeito e no fornecimento de energia elétrica a navios, no cumprimento das diretivas da União Europeia e inserindo-se num plano mais vasto de descarbonização e de adoção de fontes de energia mais amigas do ambiente conforme previsto no ‘European Green Deal’.

Mais, o Governo pretende apostar no desenvolvimento do projeto de uma via navegável no rio Tejo destinada a barcaças, com o objetivo de escoar as cargas por via fluvial a partir de Castanheira do Ribatejo e, assim, reduzir o recurso ao transporte rodoviário, mais poluente.

O documento hoje conhecido destaca, ainda, a aprovação das bases da concessão de exploração, em regime de serviço público, de um novo terminal de contentores no porto de Sines, incluindo o seu projeto e construção.

O projeto do novo Terminal Vasco da Gama será construído e financiado “exclusivamente pela concessionária que vier a ser selecionada num procedimento de contratação pública internacional”.

À administração portuária, enquanto concedente e gestora do porto, caberá apenas a construção e financiamento das obras de proteção marítima e as acessibilidades marítimas e terrestres.

O concurso para este terminal foi lançado em outubro de 2019, tendo o prazo de apresentação de propostas sido adiado para abril do próximo ano, seguindo-se, depois, a análise das propostas e a seleção dos concorrentes para negociação.

Ainda em Sines, está também prevista a execução da terceira fase da expansão do Terminal XXI, cujo projeto se iniciou em 2020 e que inclui a obra de requalificação do ramal ferroviário do Porto de Sines e ampliação da rede elétrica para alta tensão (60 quilovolt).

“A atividade portuária continua a desempenhar um papel de relevo no desenvolvimento da economia portuguesa, designadamente no aumento das exportações. Neste âmbito, prosseguirá o esforço de modernização dos portos nacionais, aumentando a sua competitividade e reforçando a sua ligação à rede transeuropeia de transportes, como resposta à intensificação dos transportes marítimos”, lê-se no documento.

A proposta orçamental foi entregue na segunda-feira no parlamento, sendo depois votada na generalidade em 28 de outubro e estando a votação final global do documento marcada para 26 de novembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Porto de Lisboa capaz de fornecer energia elétrica aos navios no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião