Das máscaras aos casamentos e às multas de 10 mil euros. Estas são as oito medidas do Governo para travar a Covid-19

Primeiro-ministro António Costa anunciou regras mais apertadas que foram decididas no Conselho de Ministros. Medidas entram em vigor esta quinta-feira e serão reavaliadas dentro de 15 dias.

O agravamento do número de casos de Covid-19 levou o Governo a decidir oito novas medidas, que considera necessárias para limitar a doença. A principal é o agravamento da situação do país para estado de calamidade, sendo que haverá também menos ajuntamentos, mais máscaras e um controlo mais alargado.

“Em toda a Europa, temos vindo a verificar um agravamento progressivo e consistente da situação da pandemia de Covid-19 desde meados de agosto. Infelizmente, Portugal não é exceção e podemos classificar a evolução da pandemia no nosso país como uma evolução grave”, começou por dizer o primeiro-ministro António Costa, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros.

Face a esta situação, o Governo definiu oito “decisões fundamentais” com o objetivo de “reforçar o sentido coletivo de prevenir a expansão da pandemia”. São as seguintes:

  1. Elevar o nível de alerta para o estado de calamidade, habilitando o Governo a adotar, sempre que necessário, novas medidas que se justifiquem para limitar a pandemia;
  2. Já ao abrigo do estado de calamidade, a partir das 24h, deixarão de poder haver ajuntamentos de mais de cinco pessoas na via pública, espaços de natureza comercial e restauração;
  3. Limitar eventos de natureza familiar, como casamentos ou batizados, a um máximo de 50 participantes (que terão de usar máscara e observar distanciamento social);
  4. Nos estabelecimentos de ensino, passam a estar proibidos os festejos académicos e atividades não letivas, incluindo receção ao caloiro;
  5. As forças de segurança e a ASAE vão reforçar a fiscalização das medidas na via pública, estabelecimentos comerciais e restaurantes;
  6. Serão agravadas até 10 mil euros as coimas aplicáveis a pessoas coletivas, especialmente restauração, que não assegurem cumprimento das regras de lotação e afastamento;
  7. É “vivamente” recomendado a todos os cidadãos o uso de máscara comunitária na via pública, sempre que haja outras pessoas, e também a utilização da aplicação Stayaway Covid (incluindo a comunicação na app sempre que haja um teste positivo);
  8. O Governo vai ainda apresentar à Assembleia da República uma proposta de lei com caráter de urgência para que seja obrigatório o uso de máscara na via pública, bem como o uso da app em contexto laboral, escolar e académico, pelas forças armadas e de segurança e na administração pública.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Das máscaras aos casamentos e às multas de 10 mil euros. Estas são as oito medidas do Governo para travar a Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião