Facebook lança em Portugal campanha para ajudar na recuperação económica das PME

  • Lusa
  • 15 Outubro 2020

Facebook lança campanha digital "#ApoiamosasnossasPME" com a missão de ajudar as pequenas e médias empresas na recuperação económica. Programa conta com sessões online de formação gratuitas.

O Facebook lança esta quinta-feira em Portugal uma campanha digital para ajudar na recuperação económica das pequenas e médias empresas (PME), denominada ‘#ApoiamosasnossasPME’, em parceria com a ANPME e o apoio institucional do ministério da Economia.

Em comunicado, a rede social refere que, em parceria com a ANPME – Associação Nacional das Pequenas e Médias Empresas – e com apoio institucional do Ministério da Economia e Transição Digital, “o Facebook lança esta quinta-feira em Portugal a campanha digital ‘#ApoiamosasnossasPME’, uma iniciativa com o objetivo de contribuir de forma positiva para a recuperação das pequenas e médias empresas portuguesas”.

O Facebook ” acredita que através de ferramentas digitais como as incluídas nesta campanha é possível acelerar a transformação digital durante a pandemia da Covid-19, e que existe capacidade nas empresas portuguesas para adaptarem as estratégias de negócio ao novo cenário socioeconómico”, adianta.

Esta campanha “consiste numa série de recursos de formação focados na digitalização”, acrescenta, referindo que, “em colaboração com a ANPME”, a iniciativa integra “o programa de formação ‘Boost with Facebook'”.

Este programa são sessões online gratuitas de formação “que vão reunir até final do ano três mil empresários portugueses, com intuito de apoiar as PME na implementação de ferramentas e estratégias digitais”.

No próximo dia 19 de outubro começa a 16.ª sessão do ‘Boost with Facebook’ em Portugal.

Além dos recursos de formação, a rede social lança uma nova ferramenta de diagnóstico digital para as empresas portuguesas que permitetestar gratuitamente o nível de digitalização da PME e receber uma estratégia personalizada”.

O questionário é dividido em quatro segmentos: ‘Dar-se a conhecer’; ‘Ser encontrado facilmente’; ‘Captar clientes’; e ‘Fidelizar clientes’, sendo que “as respostas aos quatro segmentos vão identificar qual a estratégia digital a adotar, desde os meta títulos ao modo de navegação do ‘website'”.

“Segundo o último relatório do Facebook sobre o impacto da Covid-19 nas PME – uma parceria com o Banco Mundial e a OCDE – as pequenas empresas que têm mais de 25% das suas vendas ‘online’ têm maior probabilidade de terminar o ano com vendas superiores às de 2019”, refere.

O tecido empresarial português é composto, maioritariamente, por PME.

“Em Portugal, segundo o último inquérito realizado em julho, 31% das PME portuguesas têm mais de 25% das suas vendas ‘online'” e existem “sinais de uma ligeira recuperação económica para as PME em Portugal: 93% das empresas confirmam que estão em atividade – em maio eram apenas 77%; e 28% diz que a falta de dinheiro em caixa é um problema, o que também é uma melhoria (em maio era 36%)”, salienta.

“A situação que temos vivido provocou profundas mudanças sociais e empresariais, nas quais a tecnologia está a ter um papel fundamental. Durante o confinamento, muitas PME recorreram às nossas plataformas para acelerar a digitalização dos seus negócios e queremos continuar a ajudá-las neste processo, que será crucial para sobreviver neste novo cenário, assim como para a recuperação económica de Portugal”, refere a diretora-geral do Facebook em Portugal e Espanha, Irene Cano, citada em comunicado.

Já a vice-presidente da ANPME, Paula Hespanhol, refere que, “se o marketing digital e a transformação digital já era muito importante para as PME, neste momento de pandemia (…) torna-se essencial para a sua sobrevivência no mercado”.

A campanha digital lançada hoje inclui três casos de PME portuguesas que o Facebook dá como exemplos de uma estratégia digital bem-sucedida: a florista “Oh, Maria”; a padaria “Trindade”; e a empresa de calçado Diverge.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook lança em Portugal campanha para ajudar na recuperação económica das PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião