Fiscais das secretas suspeitos de crimes corrupção

  • ECO
  • 15 Outubro 2020

Presidente e o próprio Conselho de Fiscalização dos serviços de informações estão a ser investigados pelo Ministério Público. Estão em causa suspeitas de violação de segredo de Estado e corrupção.

O Ministério Público está a investigar o presidente e o próprio Conselho de Fiscalização dos serviços de informações portugueses. Em causa estão suspeitas de violação de segredo de Estado e eventuais crimes de corrupção, avançou aSábado (acesso pago).

Abílio Morgado que está a presidir o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa (CFSIRP), desde dezembro de 2017, é um dos principais suspeitos num inquérito sob investigação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e da Polícia Judiciária (PJ).

Abílio Morgado tem 58 anos, é licenciado em Direito pela Universidade Católica e desempenhou durante cerca de 20 anos altos cargos em quatro governos liderados pelo PSD e em duas presidências da República. Chegou a ser assessor, chefe de gabinete, secretário de Estado da Defesa e da Administração Educativa, consultor para assuntos de Segurança Nacional do Presidente Cavaco Silva e secretário do Conselho de Estado. Atualmente é presidente o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa e é neste cargo que está a ser acusado de práticas ilegais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fiscais das secretas suspeitos de crimes corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião