Mais infeções e estímulos paralisados penalizam Wall Street

Os principais índices norte-americanos recuam pela terceira sessão consecutiva, penalizados pela deterioração da situação da pandemia na Europa e a falta de novos estímulos nos EUA.

O maior número de infeções na Europa e a falta de acordo sobre um novo pacote de estímulos nos EUA estão a condicionar a negociação nas bolsas norte-americanas. Wall Street segue em baixa, tal como as bolsas europeias.

O Dow Jones desce 0,96% para os 28.241,46 pontos, o Nasdaq desvaloriza 1.31% para os 11.614,66 pontos e o S&P 500 cede 1,11% para os 3.450,5 pontos. Os índices norte-americanos seguem em baixa pela terceira sessão consecutiva.

Neste momento cresce a preocupação sobre o impacto do aumento dos números de casos com Covid-19 na Europa, assim como a diminui a esperança de que haja um novo pacote de estímulos nos EUA antes das eleições presidenciais marcadas para 3 de novembro.

Para já, segundo a Market Watch, os resultados trimestrais das cotadas relativos ao terceiro trimestre têm sido mistos, sem uma tendência definida. Em termos económicos, nota também para a subida dos pedidos de subsídio de desemprego nos EUA para os 898 mil, acima das estimativas dos analistas.

Esta quarta-feira Steven Mnuchin repetiu à CNBC que não deverá haver um novo pacote de estímulos antes das eleições. “Neste momento ter algo concluído antes das eleições e executá-lo será difícil dado onde estamos e o nível de detalhe [das negociações], mas vamos tentar a continuar a trabalhar nesses assuntos”, disse o secretário do Tesouro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais infeções e estímulos paralisados penalizam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião