PRR. Quase um quinto do investimento na saúde vai para hospitais do Seixal, Sintra e Lisboa

Os investimentos na saúde previstos no Plano de Recuperação e Resiliência totalizam os 1.038 milhões de euros. Desses, 196 milhões vão ser aplicados nos hospitais do Seixal, Sintra e Lisboa.

Quase um quinto do investimento previsto para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) no esboço do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) entregue esta quinta-feira à Comissão Europeia destina-se a equipamento para os hospitais do Seixal, Sintra e Lisboa. São 196 milhões de euros que vão ser aplicados nestes locais, de um bolo total de 1.038 milhões de euros em subvenções para a saúde.

A saúde é um dos grandes focos deste plano, entregue esta quinta-feira em Bruxelas pelo primeiro-ministro, contemplada no pilar das “vulnerabilidades sociais”. Portugal deverá receber cerca de 13 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido, através do Mecanismo Europeu de Recuperação e Resiliência, criado em resposta ao impacto da pandemia nos Estados-membros.

Na distribuição do dinheiro, calhou assim uma soma avultada à região que abrange a capital. “No caso da região de saúde de Lisboa e Vale do Tejo, a reorganização e redimensionamento da oferta hospitalar proporcionará um melhor acesso de cuidados de saúde de qualidade a uma parte significativa da população da sua área de abrangência, contribuindo para a diminuição das desigualdades no acesso a cuidados de saúde diferenciados, de qualidade e em proximidade”, lê-se no programa.

De salientar que o Governo tem nos planos a construção de novos hospitais, entre os quais o novo Hospital Lisboa Oriental, o novo Hospital de Proximidade do Seixal e o novo Hospital de Proximidade de Sintra, todos incluídos no Orçamento do Estado para 2021.

A rubrica que se debruça sobre o SNS no Plano de Recuperação e Resiliência abrange ainda um investimento no “fortalecimento do Serviço Regional de Saúde da Região Autónoma da Madeira”, no valor de 89 milhões de euros.

Já as restantes componentes são de âmbito mais geral. Quase metade do investimento na saúde dirige-se a providenciar os Cuidados de Saúde Primários com mais respostas, área para a qual estão alocados 463 milhões de euros. “Os cuidados de saúde primários são a base do sistema de saúde e um importante instrumento de melhoria da equidade entre os cidadãos e, consequentemente, da sua resiliência”, nota o Governo, no plano.

Com o investimento nos cuidados primários, o objetivo é “garantir a melhoria dos cuidados de proximidade existentes, considerando o envelhecimento da população, a cronicidade e as alterações epidemiológicas, através de uma rede territorialmente equilibrada e reforçada de equipamentos, meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT), capacidade de rastreio e de intervenção comunitária/domiciliária”.

Há ainda 205 milhões para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e Rede Nacional de Cuidados Paliativos, e 85 milhões para a conclusão da Reforma da Saúde Mental, que está incluído na rede hospitalar.

Já os Açores não estão discriminados nesta área, estando previsto, no entanto, um investimento de 30 milhões para a implementação do projeto Hospital Digital, que “pretende viabilizar a opção de “hospital virtual” nas consultas nos hospitais e centros de saúde do Serviço Regional de Saúde”.

Na rubrica da Administração Pública Digital há também espaço para a transição digital na Saúde, que tem alocados 300 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PRR. Quase um quinto do investimento na saúde vai para hospitais do Seixal, Sintra e Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião