Metros de Lisboa e Porto contam com 600 milhões para expansão

Governo incluiu uma verba de 304 milhões de euros para expandir linha vermelha do Metro de Lisboa até Alcântara e 299 milhões para a linha entre a Casa da Música e as Devesas no Metro do Porto.

O Governo alocou 603 milhões de euros no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a expansão das redes do Metro de Lisboa e do Porto, de acordo com o documento que foi entregue esta quinta-feira em Bruxelas e a que o ECO teve acesso.

No caso do Metro de Lisboa, estão inscritos 304 milhões de euros na expansão da linha vermelha (que vai do Aeroporto de Lisboa até São Sebastião) até Alcântara. Em abril, a TVI avançou que a linha vermelha ia ser alargada com a criação de quatro novas estações a seguir a São Sebastião: Amoreiras, Campo de Ourique, Infante Santo e Alcântara, num investimento de cerca de 400 milhões.

Para o Metro do Porto, o plano tem 299 milhões para a linha entre a Casa da Música e as Devesas, em Vila Nova de Gaia.

São os dois maiores investimentos previstos no PRR para a reforma do ecossistema de transportes, que dedica ainda 250 milhões de euros para o Metro Ligeiro de Superfície entre Odivelas e Loures, 96 milhões na descarbonização dos transportes públicos (mediante o apoio à aquisição de frotas de transportes públicos com motorizações limpas) e 83 milhões na linha BRT (metrobus) do Campo Alegre (Porto).

No total, estes investimentos terão um custo de 1.032 milhões de euros, com Portugal a prever pedir esse montante através de subvenções do Mecanismo de Recuperação e Resiliência (MRR).

“Os investimentos previstos na presente componente têm como objetivo a promoção do transporte público e assim contribuir para a descarbonização e transição energética do setor dos transportes”, explica o Governo no documento que António Costa entregou à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Além dos financiamentos obtidos através do MRR, o próximo quadro comunitário de apoio, o Portugal 2030, terá cerca de 2,7 mil milhões de euros para investimentos na ferrovia e nas redes de metro.

O Plano de Recuperação e Resiliência prevê disponibilizar a Portugal um total de 12,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido e 15,7 mil milhões em empréstimos entre 2021 e 2026.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metros de Lisboa e Porto contam com 600 milhões para expansão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião