Mercado automóvel europeu cresce pela primeira vez em setembro desde início da pandemia

  • Lusa
  • 16 Outubro 2020

Setembro foi o primeiro mês de recuperação do setor automóvel, que estava em queda desde março devido à pandemia. Itália e Alemanha deram o maior impulso à recuperação.

O mercado automóvel europeu recuperou ligeiramente em setembro, impulsionado pelas vendas de veículos em Itália e na Alemanha, no primeiro mês de crescimento desde o início da pandemia, de acordo com dados oficiais divulgados esta sexta-feira.

O número de matrículas de automóveis novos de passageiros aumentou 3,1% numa base anual para 933.987 unidades, anunciou a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA), em comunicado. Após uma queda das vendas de 55,1% em março e 76,3% em abril, devido ao confinamento das populações e ao encerramento das lojas de automóveis, o mercado europeu luta para recuperar das consequências da pandemia.

Setembro foi o primeiro mês de movimento ascendente desde o início da crise, beneficiando de medidas de estímulo governamentais adotadas em vários países europeus. A Itália (+9,5%) e a Alemanha (+8,4%) recuperaram, enquanto França (-3%) e Espanha (-13,5%) se mantiveram em baixa. Os 5.º e 6.º mercados da União Europeia, Polónia (+8%) e Bélgica (+1%), também recuperaram.

Durante os primeiros nove meses do ano, apenas 7,06 milhões de automóveis novos de passageiros foram colocados nas estradas da UE, quase 2,7 milhões menos do que em 2019 durante o mesmo período (-28,8%). A ACEA espera uma queda histórica de 25% nas entregas para o ano como um todo.

Antes da pandemia, em janeiro, a organização, que agrupa 16 fabricantes ativos na Europa, previa um declínio de 2%, após seis anos consecutivos de crescimento.

Entre os fabricantes, o grupo alemão Volkswagen, ainda líder europeu indiscutível, viu as suas entregas aumentarem 9% em setembro, impulsionadas pelas vendas da Skoda, Audi e Seat. O fabricante alemão continua à frente do Grupo PSA (Peugeot, Citroën, Opel/Vauxhall, DS), cuja quota de mercado caiu 1,7 pontos, para 15,3%, desde o início do ano.

O Grupo Renault (Dacia, Lada e Alpine) completa o pódio europeu, com 11,5% (-0,3), à frente da Hyundai (7,2%, +0,5) e da BMW (7%, +0,6). Dos dois grupos franceses, a Renault ficou em primeiro lugar em termos de matrículas (+9,7%), graças às vendas da Dacia (+35,4%), enquanto o PSA caiu 11,8%, com um declínio acentuado na Opel/Vauxhall.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercado automóvel europeu cresce pela primeira vez em setembro desde início da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião