Juros implícitos no crédito da casa aliviam de máximos de cinco meses. Taxa média fixa-se nos 0,966% em setembro

A taxa de juro implícita no crédito à habitação fixou-se nos 0,966%, em setembro, para globalidade dos contratos.

Os juros implícitos do crédito da casa aliviaram após máximos de cinco meses. A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos desceu ligeiramente para fixar-se nos 0,966% em setembro, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira.

“A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação foi 0,966% em setembro (0,967% no mês anterior). Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu de 1,003% em agosto para 0,966% em setembro”, adianta o gabinete público de estatísticas.

Para o destino de financiamento de aquisição de habitação, “o mais relevante no conjunto do crédito à habitação”, a taxa de juro implícita para o total dos contratos pelo contrário subiu. O aumento foi de 0,2 pontos base face a agosto, para se fixar nos 0,985%. No que se refere aos contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro para este destino de financiamento fixou-se em 0,961%, abaixo dos 0,994% verificados em agosto.

Evolução dos juros implícitos no crédito da casa

Fonte: INE

No que diz respeito ao valor médio da prestação vencida, para a totalidade dos contratos, esta manteve-se inalterada nos 226 euros, o que acontece pelo terceiro mês consecutivo. Desse valor, 44 euros (19%), corresponderam ao pagamento de juros, enquanto os 182 euros remanescentes (81%) equivaleram à amortização de capital. Já nos novos contratos, o valor médio da prestação desceu 2 euros, para 283 euros.

Face a esse quadro, em setembro, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 167 euros face ao mês anterior, para se fixar nos 54.484 euros. Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida foi de 108.249 euros, mais 321 euros do que em agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros implícitos no crédito da casa aliviam de máximos de cinco meses. Taxa média fixa-se nos 0,966% em setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião