Há 2.535 novos infetados com Covid-19. Morreram mais 16 pessoas

Foram identificados 2.535 novos casos de infeção pelo novo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. O número total de casos positivos desde o início da pandemia sobe para 106.271.

Portugal registou 2.535 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 106.271 o número de infetados desde o início da pandemia. Já o número de mortes subiu para 2.229, após 16 óbitos terem sido contabilizados nas últimas 24 horas, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Trata-se do segundo pior dia no que toca aos novos casos em Portugal, apenas ultrapassado pelo recorde de 2.608 novos casos registado a 16 de outubro. Com este registo, o país volta a ultrapassar a fasquia dos dois milhares de novas infeções diárias, após três dias de interrupção.

Há agora 40.804 pessoas (casos ativos) a lutarem contra a doença, mais 1.179 pessoas do que no balanço anterior. Tal como se tem verificado nos últimos dias, a maioria dos novos casos foi registada na região Norte. Dos 2.535 novos casos confirmados no total das últimas 24 horas, 1.379 localizam-se nesta região (54,4%), seguidos pela região de Lisboa e Vale do Tejo, que contabilizou 863 novas infeções (34%).

Boletim epidemiológico de 21 de outubro:

Ainda assim, Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com mais casos até ao momento (49.459 casos de infeção e 898 mortes), seguindo-se o Norte (42.921 casos e 980 mortes), o Centro (8.743 casos e 283 mortes), o Algarve (2.307 casos e 23 mortes) e o Alentejo (2.163 casos e 30 mortes). Nas regiões autónomas, os Açores registam 329 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira já registou 349 pessoas infetadas e continua sem registar nenhuma vítima mortal.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 1.272 estão internados (mais 35 face ao dia anterior) em enfermaria geral e 187 em unidades de cuidados intensivos (mais 11). Há ainda 55.882 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, menos 244 do que no balanço de terça-feira.

Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 1.340 recuperados, um número bastante inferior relativamente ao último balanço. No total, já 63.238 pessoas recuperaram da da doença.

Taxa de ocupação de “camas Covid” nos 72%

Na conferência de imprensa desta quarta-feira, o secretário de Estado da Saúde garante que houve “preparação” adequada para esta nova fase, que é “visível” designadamente com a “contratação de mais de 5.000 profissionais, entre os quais mais de 1.700 enfermeiros”.

Nesse sentido, Diogo Serras Lopes menciona que “o aumento de casos verificados nas últimas semanas coloca, e continuará a colocar, uma pressão significativa sobre todo o sistema de saúde e em particular sobre a saúde pública”, fazendo ainda um balanço das camas destinadas a doentes Covid-19 no Serviço Nacional de Saúde (SNS). “A taxa de ocupação de camas Covid é, em termos nacionais, de 72%, com maior incidência no norte, onde é 76%”, adiantou o secretário de Estado da Saúde, em declarações transmitidas pela RTP3.

Quanto às camas de cuidados intensivos dedicadas à Covid, a taxa de ocupação encontra-se nos 71% a nível nacional e em 76% no norte. O secretário de Estado da Saúde diz que não se pode dizer qual é a capacidade máxima do SNS, uma vez que há que ter em conta as outras doenças não Covid. “A capacidade do SNS é elástica”, disse Diogo Serras Lopes, acrescentando que o Governo e as autoridades de saúde estão a avaliar “diariamente” as necessidades existentes, adequando “a resposta do SNS consoante as necessidades”.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h52)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 2.535 novos infetados com Covid-19. Morreram mais 16 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião