Associação da hotelaria e restauração quer testes gratuitos da Covid-19 para o setor

  • Lusa
  • 20 Outubro 2020

A AHRESP diz ter conhecimento “de que muitas empresas estão a realizar testes Covid-19 aos seus trabalhadores, representando já para muitas um encargo considerável”. Por isso, pede testes gratuitos.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) defendeu esta terça-feira que o Estado deve disponibilizar gratuitamente testes Covid-19 a empresas que lidam diretamente com o público, como é o caso dos trabalhadores do setor.

No seu boletim diário, a AHRESP diz que teve conhecimento “de que muitas empresas estão a realizar testes covid-19 aos seus trabalhadores, representando já para muitas um encargo considerável”.

“Estes testes têm sido realizados a trabalhadores que apresentam sintomas relacionados com a Covid-19, sentindo-se as empresas na obrigação de o fazer, quer por uma questão de responsabilidade para salvaguarda da saúde pública, quer também por ‘imposição’ dos restantes trabalhadores, que se recusam a prestar atividade junto de alguém que pode ser considerado um caso suspeito”, lê-se no documento.

Tendo em conta a época de gripes que se inicia, continua a AHRESP, a questão assume maior relevância, “pelo que deve o Estado disponibilizar gratuitamente testes para as empresas, especialmente para aquelas que lidam diretamente com o público, como é o caso do alojamento turístico e da restauração e similares”.

“Além de contribuir para a confiança dos consumidores, esta seria uma medida que permitiria a identificação de casos positivos e a não propagação exponencial da doença, como ameaça vir a acontecer”, sublinha a associação.

Portugal contabiliza esta terça-feira mais 15 mortos relacionados com a Covid-19 e 1.876 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim, divulgado esta terça-feira, desde o início da pandemia de covid-19, Portugal já contabilizou 103.736 casos confirmados e 2.213 óbitos.

As autoridades de saúde têm 56.126 pessoas em vigilância, mais 701 do que na segunda-feira. A DGS revela ainda que estão ativos 39.625 casos, menos 71 em relação ao dia anterior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação da hotelaria e restauração quer testes gratuitos da Covid-19 para o setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião