Dona da makro compra Grupo Aviludo para reforçar aposta na hotelaria e restauração

Grupo alemão, Metro AG, assinou acordo para adquir a Aviludo. O grupo tem oito plataformas logísticas, emprega 850 pessoas e registou 152 milhões de euros em vendas o ano passado.

A alemã Metro AG, dona da makro, quer reforçar a presença no país e assinou um contrato de compra do Grupo Aviludo, umas das empresas nacionais líderes no setor grossista para hotelaria e restauração. Só o ano passado, o grupo gerou um volume de negócios de 152 milhões de euros ao chegar a mais de 13.500 estabelecimentos e empresas.

“Através da aquisição da Aviludo vamos expandir a oferta e serviços para os nossos clientes em Portugal, um mercado que consideramos estratégico. Graças ao forte posicionamento da Aviludo, reforçamos a presença no país e criamos mais valor para os nossos clientes e para os seus negócios de forma a acelerar também o nosso crescimento”, explica Olaf Koch, CEO da Metro AG, citado em comunicado.

Para além da aquisição do negócio operacional, que engloba os centros de produção e distribuição assim como a frota logística, esta transação inclui também o património imobiliário da empresa. As partes acordaram não divulgar os detalhes financeiros da transação que ainda está sujeita a aprovação por parte das autoridades relevantes e competentes.

O Grupo Aviludo, que foi fundado em 1984, emprega atualmente cerca de 850 colaboradores e conta com oito plataformas logísticas, incluindo quatro com capacidade de produção e processamento de carnes, e uma frota com mais de 180 veículos. Sem revelar o valor da transação, o co-fundador e CEO da Aviludo, acredita que a Metro AG é “o parceiro ideal para dar continuidade a este crescimento preservando ao mesmo tempo a fórmula de sucesso da Aviludo”.

“Em conjunto com a equipa de gestão da Aviludo, estamos satisfeitos com a perspetiva de trabalhar lado a lado com a Metro AG, e em particular com a Makro Portugal, para construir uma oferta ímpar para a hotelaria e restauração nacional”, destaca o co-fundador, José Ressurreição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona da makro compra Grupo Aviludo para reforçar aposta na hotelaria e restauração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião