Fórum para a Competitividade vê PIB a cair até 12% em 2020

O Fórum continua mais pessimista do que o Governo, antecipando uma contração económica que poderá ir de 9% a 12% este ano.

O Fórum para a Competitividade atualizou as suas previsões económicas apontando para uma recessão mais forte do que antecipada pelo Governo: o PIB deverá cair entre 9% a 12% em 2020, de acordo com o relatório das perspetivas empresariais relativas ao terceiro trimestre divulgado esta quinta-feira. Anteriormente, o Fórum antevia uma contração entre 9% a 15%.

Para 2020, o Fórum para a Competitividade, estima que a variação do PIB se situará entre -9% e -12%”, lê-se no documento publicado esta manhã. O Fórum está assim menos pessimista quanto à crise pandémica este ano, mas continua com previsões piores do que as do Governo. No Orçamento do Estado para 2021, o Executivo prevê uma contração de -8,5%.

Na opinião do Fórum, a recuperação do PIB no terceiro trimestre “terá sido modesto” face às expectativas e no quarto trimestre há riscos acrescidos: “No quarto trimestre, com a reposição de restrições à circulação e à atividade, há a possibilidade de um retrocesso“, antecipa o diretor do Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade, Pedro Braz Teixeira.

Para 2021 apenas são referidas as previsões de outras instituições que apontam para uma recuperação entre 5% a 6%. Apesar de reconhecer que a OCDE e o FMI revelaram previsões “menos pessimistas”, o Fórum recorda que o FMI prevê uma recuperação “longa, desigual e incerta”. Assim, “está cada vez mais afastada a hipótese da retoma em ‘V’“, até porque há “receio de recaídas, como a que se verifica já na Europa, que lança dúvidas sobre o ritmo da recuperação”.

Relativamente ao mercado de trabalho, o Fórum avisa que “as perspetivas de uma retoma mais lenta — quer em 2020 quer nos anos seguintes –, em particular no turismo, deverão conduzir a novas subidas da taxa de desemprego“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fórum para a Competitividade vê PIB a cair até 12% em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião