Abstenção do PCP é “excelente indicador”, diz Costa

António Costa mostra-se otimista sobre a votação do Orçamento do Estado para 2021, afirmando que a abstenção anunciada pelo PCP é um "excelente indicador" de que é possível negociar à esquerda.

O primeiro-ministro afirmou este sábado que a abstenção anunciada pelos comunistas é um “excelente indicador” de que “é possível efetivamente trabalhar para ter um bom Orçamento”, aproximando-se pontos de vista e encontrando pontos comuns.

Mais do que nunca é preciso um orçamento“, afirmou António Costa à saída do evento Visão Fest, em declarações transmitidas pela RTP3 este sábado. “Houve avanços importantes para os cidadãos que justificam o voto favorável”, argumentou, referindo a cedência do Governo ao PCP relativo ao aumento de 10 euros das pensões até 658 euros logo em janeiro.

Questionado sobre a notícia do Expresso de que o PSD poderá salvar o OE se Costa pedir desculpas de uma frase que disse em agosto, António Costa disse ser “absolutamente normal” que os social-democratas votem contra uma vez que acha que é um orçamento “despesista” e por ser contra o aumento do salário mínimo.

Sempre me pareceu óbvio que este orçamento só fazia sentido negociar com aqueles que connosco viraram a página da austeridade“, disse o primeiro-ministro, piscando o olho ao BE, PCP, PEV e PAN. Costa referiu que o “trabalho tem corrido bem”, tendo revelando a expectativa de que o PAN irá tomar a decisão este sábado ou domingo.

Contudo, Costa recordou que ainda há um “longo mês de trabalho” pela frente na discussão na especialidade até à votação final global no final de novembro. Ainda esta sexta-feira o PCP lembrou, quando anunciou a abstenção, que o sentido de voto na votação final global poderá ser diferente, exigindo mudanças estruturais no OE em vez de apenas “meia dúzia de medidas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abstenção do PCP é “excelente indicador”, diz Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião