Banco Mundial: Preço do petróleo mantém-se baixo para além de 2021

  • Lusa
  • 24 Outubro 2020

A pandemia, de resto, é encarada como "um choque para os mercados globais das matérias-primas, apresentando um desafio para os decisores políticos" nos países mais dependentes da exportação.

O Banco Mundial considera que os preços do petróleo vão manter-se abaixo da média dos últimos anos em 2021, ano em que o preço do barril deverá aumentar de 41 dólares, em 2020, para 44 dólares.

“Os preços do petróleo devem aumentar muito gradualmente face aos níveis atuais e chegar a uma média de 44 dólares em 2021, subindo face aos estimados 41 dólares por barril este ano, num contexto de uma recuperação lenta da procura e um abrandamento nas restrições à oferta”, lê-se no relatório sobre a evolução das matérias-primas.

De acordo com este relatório do Banco Mundial, divulgado na sequência dos Encontros Anuais do banco e do Fundo Monetário Internacional (FMI), “quase todos os preços das matérias-primas recuperaram no terceiro trimestre deste ano, depois de fortes declínios no início do ano devido à pandemia de covid-19”.

Face aos níveis de abril, “os preços do crude duplicaram, sustentados nos fortes cortes à produção decretados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), mas continuam um terço mais baixos face aos níveis anteriores à pandemia”, acrescenta-se ainda no documento.

Para os analistas do Banco Mundial, “o principal risco à previsão sobre os preços das matérias-primas é a duração da pandemia, incluindo o risco de intensificação de uma segunda vaga no hemisfério Norte e a rapidez com que a vacina é desenvolvida e distribuída“.

A pandemia, de resto, é encarada como “um choque para os mercados globais das matérias-primas, apresentando um desafio para os decisores políticos” nos países mais dependentes da exportação de petróleo, como é o caso dos lusófonos Angola e Guiné Equatorial, para além do Brasil, o maior produtor entre os países de língua portuguesa, com uma produção que ronda os 3 milhões de barris diários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Mundial: Preço do petróleo mantém-se baixo para além de 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião