PSD só admite salvar OE se Governo pedir desculpa

  • ECO
  • 24 Outubro 2020

Só se Costa pedir desculpa pelo que disse é que o PSD pondera requacionar o sentido de voto no OE, disse Adão Silva ao Expresso. Em comunicado, o partido diz que foi essa a ideia transmitida.

No dia em que a sua subsistência depender do PSD, este Governo acabou“. Foi esta a frase de António Costa que não caiu nada bem no PSD e que foi uma das justificações para os social-democratas anunciarem esta semana que vão votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021). Contudo, este sábado ao Expresso Adão Silva, líder parlamentar do PSD, admitem salvar o documento, mas só se o Governo pedir desculpa.

“O primeiro-ministro foi muito arrogante quando disse que no dia em que precisasse do PSD para sobreviver o Governo caía. Ou ele se contradiz, pede desculpas e diz que não era assim — e aí talvez as coisas pudessem ser reequacionadas — ou, como ele não vai pedir desculpas, se é assim o jogo, se é assim a terminação, temos uma linha vermelha”, diz o líder parlamentar social-democrata ao semanário.

Esta declaração representa um passo em frente uma vez que Rui Rio não disse o que faria se Costa lhe pedir uma viabilização de última hora na votação final global do OE 2021, em nome do interesse nacional. Adão Silva é claro ao dizer que o pedido de desculpas é essencial, caso contrário o PSD votará contra na generalidade e também na votação final global, a 26 de novembro.

PSD diz que não foi essa a ideia transmitida

Em reação à notícia do semanário, com base em declarações de Adão Silva, o PSD enviou um comunicado às redações onde argumenta que “tal afirmação não corresponde à ideia transmitida pelo líder parlamentar ao jornal, sendo, por isso, uma manipulação jornalística que objetivamente engana os leitores“.

“Se o que o Expresso escreveu correspondesse à verdade, então isso significaria que o PSD determinava os seus votos por estados de alma, em lugar de o fazer em função do mérito das propostas sobre as quais é chamado a pronunciar-se”, referem os social-democratas, acusando o jornal de fazer um título “abusivo”.

(Notícia atualizada às 12h47 com o comunicado do PSD)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD só admite salvar OE se Governo pedir desculpa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião