Wall Street fecha na linha de água apesar de tombo de 10% da Intel

A incerteza sobre o tempo de aprovação de novas medidas de alívio para famílias e empresas tem pesado nos principais índices em Wall Street.

Wall Street fechou entre ganhos e perdas ligeiras com os investidores a tentarem avaliar a probabilidade de aprovação de um novo pacote de estímulos orçamentais nos EUA. A discussão entre os democratas da Câmara de Representantes e a administração liderada pelo republicano Donald Trump marcou as negociações numa semana que acabou por fechar com um saldo negativo.

A incerteza sobre o tempo de aprovação de novas medidas de alívio para famílias e empresas tem pesado nos principais índices em Wall Street. A presidente da Câmara de Representantes Nancy Pelosi afirmou esta sexta-feira que ainda é possível aprovar o pacote de estímulos orçamentais antes das eleições presidenciais marcadas para 3 de novembro. Garantiu que um acordo está dependente do presidente Trump.

Mas o secretário de Estado Steven Mnuchin contra-argumenta que ainda há diferenças significativas entre republicanos e democratas. Ainda assim, os mercados parecem estar a apostar num acordo: a dúvida é o timing e o montante.

Neste cenário de incerteza, o índice industrial Dow Jones cedeu 0,1% para 28.335,57 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 subiu 0,34% para 3.465,39 pontos e o tecnológico Nasdaq somou 0,37% para 11.548,28 pontos.

“Este tem sido um mercado conduzido pelos estímulos há várias semanas e hoje foi mais uma evidência disso”, disse Lindsey Bell, chief investment strategist da Ally Invest, em declarações à Reuters. “O mercado acredita que vamos ter estímulos, mas precisa de saber quando é que vai ser aprovado porque ainda vai demorar até que o dinheiro comece a fluir“.

A nível empresarial, o setor das comunicações liderou os ganhos com uma subida de 1,1%. Em sentido contrário, a Intel divulgou ao mercado receitas acima do esperado, mas as vulnerabilidades no negócio de dados demonstradas geraram receios e as ações da empresa afundam 10,58%, para 48,20 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street fecha na linha de água apesar de tombo de 10% da Intel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião