Allianz Capital Partners interessada em projetos de hidrogénio verde em Portugal

  • Lusa
  • 26 Outubro 2020

Allianz Capital, que chegou a acordo para adquirir 75% da Galp Gás Natural Distribuição, está interessada em “explorar oportunidades de investimento na cadeia de valor do hidrogénio verde”.

A Allianz Capital Partners, que chegou a acordo para adquirir 75% da Galp Gás Natural Distribuição, está interessada em “explorar oportunidades de investimento na cadeia de valor do hidrogénio verde”, no âmbito da Estratégia Nacional Portuguesa para o Hidrogénio.

“Estamos particularmente interessados em explorar oportunidades de investimento na cadeia de valor do hidrogénio verde, contempladas na Estratégia Nacional Portuguesa para o Hidrogénio (“EN-H2”) que a Allianz subscreve plenamente”, adiantou a gestora de ativos e investimentos alternativos que faz parte da Allianz Global Investors (AllianzGI), numa resposta escrita enviada à Lusa.

Na mesma nota, a gestora de ativos privados da seguradora alemã esclarece que procura globalmente “oportunidades de investimento que forneçam fluxos de caixa estáveis, de preferência vinculados à inflação, no longo prazo com um perfil de risco-retorno adequado”.

A Galp comunicou esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o acordo para venda de uma participação 75,01% na Galp Gás Natural Distribuição à Allianz Capital Partners, por 368 milhões de euros.

O preço acordado para a participação de 75,01% a alienar é de 368 milhões de euros, adiantou a petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva, referindo que o valor implícito de 100% da GGND é de 1,2 mil milhões de euros.

Por sua vez, a Allianz Capital Partners sublinhou, em comunicado, que a rede da GGND abastece cerca de 1,1 milhão de lares em Portugal e é composta em quase 95% por tubos de polietileno de baixa pressão (“PE”), que podem ser utilizados para a distribuição de hidrogénio, gás natural sintético ou biometano.

Este é o “primeiro investimento direto em infraestruturas” portuguesas da gestora de fundos de capital privado da seguradora alemã Allianz, segundo o comunicado.

“Em conjunto com a GGND e os nossos parceiros, esperamos apoiar esta infraestrutura crítica, que contribui para o plano de descarbonização da economia portuguesa e pode tornar-se um facilitador importante para a transição energética para gases renováveis, proporcionando aos nossos clientes de seguros e investidores rendimentos de longo-prazo ajustados ao risco”, refere, citado na mesma nota, o diretor de investimentos da Allianz Capital Partners, Christian Fingerle.

A Allianz Capital Partners está também presente no mercado de energias renováveis em Portugal, tendo-se tornado dona, em 2018, de duas centrais solares: Ourika, com 46 megawatts (MW) de potência instalada, no concelho de Ourique, Alentejo, e a Solara, com quase 220 MW, no concelho de Alcoutim, Algarve.

A GGND gere as empresas concessionárias e licenciadas responsáveis pela atividade de operação de redes de gás nas nove concessões regionais, com mais de 10.000 quilómetros de redes de distribuição em serviço, estando presente em 85 concelhos do país.

O capital da GGND era detido em 77,5% pela Galp Gas & Power, SGPS, e os restantes 22,50% pertencem à Meet Europe Natural Gas, Lda, uma sociedade detida pelas japonesas Marubeni Corporation (50%) e pela Toho Gas (50%).

Esta transação está sujeita às aprovações regulatórias usuais e à obtenção de consentimentos de terceiros, sendo a sua conclusão esperada para o primeiro trimestre de 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Allianz Capital Partners interessada em projetos de hidrogénio verde em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião