Centro europeu alerta para aumento das hospitalizações em Portugal

  • Lusa
  • 28 Outubro 2020

“Estamos a assistir a um aumento em Portugal em termos de taxas de hospitalização e está a surgir um pouco mais tarde do que noutros países” europeus, afirma em entrevista responsável do ECDC.

O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) alerta para o aumento nos internamentos em Portugal devido à covid-19, avisando que este poderá apenas “o início” se as autoridades portuguesas não atuarem para conter o vírus.

“Estamos a assistir a um aumento em Portugal em termos de taxas de hospitalização e está a surgir um pouco mais tarde do que noutros países” europeus, afirma em entrevista à Lusa o diretor do departamento de Vigilância do ECDC, Bruno Ciancio.

De acordo com o especialista, “é importante que o país considere que este é apenas o início” da subida do número de internamentos por infeções com o novo coronavírus, que tem vindo a acentuar-se desde princípios de outubro.

Bruno Ciancio defende, por essa razão, que “muito deve ser feito [em Portugal] para baixar essa taxa antes que tenha um grande impacto na população”, nomeadamente aumentando a capacidade dos sistemas de saúde e introduzindo medidas de contenção mais direcionadas.

Portugal é, aliás, um dos 22 países europeus que o ECDC classifica como estarem a “registar tendências que são preocupantes”, por estarem a enfrentar “não só um aumento do número de casos, mas também de taxas de hospitalização e de mortalidade”, explica o especialista à Lusa.

O país ultrapassou a 8 de outubro a barreira dos 1.000 novos casos diários e está agora a registar mais de 3.000 infeções diárias.

Esta tem sido uma tendência registada em praticamente todos os países europeus, sendo que os piores em termos de taxas de notificação são Bélgica, República Checa, França, Holanda, Espanha e Reino Unido. Já em termos de mortalidade, os países com maiores taxas são Bélgica, República Checa, Hungria, Polónia, Roménia e Espanha.

“O que estamos a assistir agora na Europa é a uma situação em que há uma rápida deterioração, do ponto de vista epidemiológico, e todos dias vemos o dobro do número de novos casos da América, por exemplo”, assinala Bruno Ciancio.

Dados do ECDC revelam que, por dia, estão a registar-se cerca de 250 mil novos casos na Europa e mais de 2.000 mortes. “Esta é uma situação que requer atuações rápidas”, insiste o especialista.

Bruno Ciancio diz, também, que este aumento exponencial já era esperado pela agência europeia após o relaxamento das severas medidas de contenção implementadas na primavera. “Este aumento era previsível porque a razão pela qual a taxa de transmissão estava baixa no verão era porque muitas medidas tinham sido adotadas previamente, durante a primavera, até maio e junho”, concretiza.

O especialista conclui, assim, que “este é um vírus bastante previsível” e que, por isso, “a variação a incidência está altamente relacionada com as medidas aplicadas e com o cumprimento dessas medidas”.

Sediado na Suécia, o ECDC tem como missão ajudar os países europeus a dar resposta a surtos de doenças.

Em todo o mundo, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção. Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro europeu alerta para aumento das hospitalizações em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião