Generali passa a deter 24,5% da Cattolica, enquanto é investigada em Roma

  • ECO Seguros
  • 28 Outubro 2020

A Generali adquiriu o pacote de ações que lhe estava reservado na Cattolica. Entretanto, a imprensa refere uma investigação fiscal aos negócios da seguradora com a estatal italiana de ferrovia.

A italiana Generali já subscreveu o aumento de capital social que lhe estava reservado na Cattolica Assicurazioni, por um montante de 300 milhões de euros em novas ações, anunciou a adquirente em comunicado.

Através da operação, tida como pré-requisito para a concretização do acordo de parceria estratégica anunciado em junho, a Assicurazioni Generali assume participação de 24,46% na estrutura acionista da emitente e confirma as fases seguintes do acordo, de que se destaca a cooptação de três elementos de novo conselho de administração da Cattolica, cuja reorganização marca o fim da entidade de natureza cooperativa para se constituir como sociedade por ações (joint stock company).

Na sequência da transação, a Cattolica assegura possibilidade de potenciar rentabilidades e novos serviços para clientes do negócio P&C (seguros de propriedade e acidentes). Por seu lado, a Generali beneficia ainda de direitos de opção para segunda emissão de ações no plano de reforço de capital social da nova participada (por 200 milhões de euros e aberta aos restantes acionistas da emitente), conforme foi imposição do supervisor (IVASS). Ainda, os títulos subscritos pela Generali poderão ser admitidos à cotação em bolsa em condições de igualdade com as ações ordinárias do capital da emitente.

Na perspetiva operacional, a implementação da parceria estratégica incide sobre quatro áreas (gestão de ativos, internet das coisas, saúde e resseguro), um plano em que a rede de filiais e subsidiárias da Generali ajudarão o grupo Cattolica a inovar e expandir serviços prestados aos seus clientes, explica o comunicado.

Fisco investiga relações da Generali com Ferrovie dello Stato

As autoridades fiscais italianas estiveram nos escritórios da estatal de transporte ferroviário e da Generali, em busca de informação relativa a contratos adjudicados por empresas do Gruppo FS Italiane à seguradora.

Grupo FS é o maior operador ferroviário italiano. Está presente em mais de 50 países através de parcerias e consórcios em infraestruturas de transportes.

De acordo com notícia avançada pela Reuters, a procuradoria de Roma tenta averiguar se a seguradora obteve contratos em troca da atribuição de “apólices vantajosas” a gestores da Ferrovie dello Stato, adiantou a agência com base em ordem judicial que solicita acesso à documentação das empresas.

Um porta-voz da seguradora confirmou que a solicitação da procuradoria se relaciona com a FS e disse que a Generali cooperou plenamente. Segundo a Reuters (conteúdo de acesso livre, em inglês), a mesma fonte salientou que os contratos de seguro foram adjudicados à Generali através de concurso público de âmbito europeu, ao abrigo de regulamentos em vigor e em conformidade com práticas do mercado. A fonte adiantou também que a seguradora se defenderá “contra quaisquer reconstruções falsas prejudiciais à sua reputação e honorabilidade”.

Entre a papelada recolhida pelas autoridades inclui-se um relatório de auditoria realizada pela PwC (PriceWaterhouseCoopers) na qual se revela que, em mais de 550 milhões de euros em prémios de seguro pagos pela FS, entre 2011 e 2019, a Generali venceu 89%. A mesma auditoria indica que, de uma amostra de 600 participações de sinistro (acidentes) apresentadas por responsáveis da FS à Generali de 1998 a 2017, um total de 66 registos são dados como desaparecidos.

Fonte da agência noticiosa referiu existirem pessoas visadas na investigação das autoridades, mas escusou-se a indicar quantas são e quais as ilegalidades de que são suspeitas. PwC e FS declinaram comentário imediato às informações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Generali passa a deter 24,5% da Cattolica, enquanto é investigada em Roma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião