Apesar da pandemia, fintechs continuam a crescer em Portugal

  • ECO
  • 29 Outubro 2020

Este ano, e apesar da pandemia, as 30 maiores fintech a operar em Portugal angariaram mais de 275 milhões de euros em investimentos, dos quais 30% vieram de investidores internacionais.

Apesar dos efeitos provocados pela pandemia, houve empresas que conseguiram dar a volta por cima. É o caso das fintech, que “consolidaram as suas vendas” em território nacional, levando Portugal a tornar-se um país de eleição para expansão internacional de muitas destas empresas de inovação no setor financeiro.

Este ano, as 30 maior fintechs a atuar em Portugal angariaram mais de 275 milhões de euros em investimentos, dos quais 30% vieram de investidores internacionais. Esta é uma das conclusões do Portugal Fintech Report de 2020, que revela ainda que as empresas de “financiamento alternativo”, “pagamentos e transferências” e “blockchain e criptomoeda” foram as que mais financiamento receberam.

O estudo elaborado pela Associação Portugal Fintech revela ainda que a maior parte das fintechs em Portugal situam-se nas áreas de “pagamentos e transferências”, “insurtech” e “criptomoeda”, sendo que 43% de todo este universo estão na fase de seed [fase inicial, conceção da ideia].

“O ecossistema está a crescer e a prova disso são não só as empresas que estão a destacar-se pelos seus resultados e no número de colaborações com players maduros, mas também pela qualidade de novas fintechs a nascer em Portugal e pelas internacionais que já olham para o nosso país como hub fintech onde querem estar“, diz João Freire de Andrade, fundador da Portugal Fintech, citado em comunicado.

O Portugal Fintech Report de 2020 mostra que “há uma maior abertura de players mais maduros para a inovação, associando-se estes a fintechs por forma a acelerarem os seus processos de digitalização” e que exemplos disso são a cooperação entre a Visa e a Settoo ou entre o BCP e a Visor.ai.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apesar da pandemia, fintechs continuam a crescer em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião