Há mais de 53 mil alunos no Ensino Superior, um aumento de 15%

  • Lusa
  • 30 Outubro 2020

No final das três fases do concurso sobraram 2.006 lugares, o que é menos do que no ano passado, quando sobraram 2.607 vagas.

Mais de 53 mil alunos entraram no ensino superior público através do Concurso Nacional de Acesso, o que representa um aumento de 15% em relação ao ano passado, segundo dados do Ministério do Ensino Superior.

A conclusão da 3.ª e última fase do Concurso Nacional de Acesso 2020 (CNA) mostra que este ano foram admitidos 52.963 estudantes no ensino superior público.

Em relação ao ano passado este valor representa um aumento de 15% de alunos que conseguiram um lugar numa universidade ou instituto politécnico através do CNA, uma vez que em 2019 entraram pouco mais de 46 mil alunos.

Comparando as instituições de ensino superior, houve um maior aumento percentual de alunos nos politécnicos (mais 18%) do que nas universidades, que cresceram 15% em relação ao ano passado.

Os Institutos Politécnicos de Beja, Portalegre e Guarda foram os que registaram os maiores aumentos percentuais de alunos, com um crescimento de 50%, 47% e 43%, respetivamente.

No entanto, em termos absolutos, estes aumentos representam muitas vezes um número real baixo. Em Beja, por exemplo, haverá mais 124 estudantes do que no ano passado, já que em 2019 entraram 249 e agora ficaram colocados 373 alunos.

Em termos percentuais, a Universidade do Algarve surge em quarto lugar ao lado do Instituto Politécnico de Bragança, ambos com um crescimento de 31%. Mas, no Algarve, o número de alunos sobe de 1.287 para 1.684, ou seja, mais 397 alunos.

Assim, no que toca ao número total de alunos, continua a haver uma preferência pelas universidades: Em cada cinco alunos, três seguem para a universidade e dois para um instituto politécnico.

Em termos percentuais, também se nota um maior aumento percentual nas instituições do interior. Para a tutela, este crescimento “é reflexo das medidas de redistribuição territorial de vagas assumidas durante a presente legislatura”.

Nesta 3.º e última fase do CNA, entraram 1.466 estudantes, dos quais 950 não tinham ainda qualquer matrícula.

Outro dado revelado pelos números avançados pela tutela é que a taxa de ocupação de vagas aumentou face ao ano passado: Agora foram ocupadas 94% das vagas iniciais, enquanto em 2019 foram 91%.

Todas as instituições ensino superior aumentaram a percentagem de ocupação de vagas face ao ano anterior.

As cinco instituições que abriram mais vagas iniciais foram a Universidade de Lisboa (7.741 lugares), Universidade do Porto (4.691), o Instituto Politécnico do Porto (3.378), a Universidade de Coimbra (3.354) e a Universidade do Minho (3.107).

No final das três fases do concurso sobraram 2.006 lugares, o que é menos do que no ano passado, quando sobraram 2.607 vagas.

No entanto, algumas das vagas disponíveis poderão ser ocupadas quer pelos alunos que pretendam mudar de curso assim como através das outras formas de ingresso, tais como os concursos e regimes especiais, adaptados ao perfil dos estudantes.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior mantém as estimativas de ter este ano cerca de 95 mil alunos colocados no ensino superior.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais de 53 mil alunos no Ensino Superior, um aumento de 15%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião