Nas notícias lá fora: Facebook, presidenciais dos EUA e Juan Carlos

  • ECO
  • 30 Outubro 2020

A pandemia fez disparar a publicidade online e engordou, consequentemente, os lucros do Facebook. Investigação ao rei emérito espanhol Juan Carlos vai ser arquivada.

A publicidade online disparou à boleia da pandemia, impulsionando os resultados do Facebook. Ainda nos Estados Unidos, 80 milhões de eleitores já votaram nas presidenciais. Do outro lado do oceano, a investigação a Juan Carlos vai ser arquivada. E o BBVA registou perdas de 15 milhões de euros até setembro. A Juul cortou a avaliação para dez mil milhões de dólares.

Business Insider

Aumento da publicidade online devido à pandemia faz disparar lucros do Facebook

O aumento da publicidade online devido à pandemia fez disparar os lucros do Facebook, que anunciou receitas de 17.927 milhões de dólares (15.354 milhões de euros) entre janeiro e setembro, mais 61% face a 2019. O grupo tecnológico liderado por Mark Zuckerberg faturou 57.893 milhões de dólares (49.606 milhões de euros) nos primeiros nove meses do atual exercício fiscal, a grande maioria provenientes do negócio de publicidade online nas redes sociais Facebook e Instagram (que também integra o portefólio da empresa). A área da publicidade é a principal fonte de receita da empresa. O dividendo distribuído pelos acionistas foi até agora de 6,29 dólares por ação, contra os 3,90 dólares por ação em outubro de 2019.

Leia a notícia completa no Business Insider (acesso livre, conteúdo em inglês).

El Confidencial

Arquivada investigação ao ex-rei Juan Carlos

O Ministério Público espanhol decidiu arquivar a investigação ao ex-monarca Juan Carlos. O Supremo Tribunal espanhol abriu uma investigação ao rei emérito por delito de corrupção internacional, branqueamento de capitais e fraude fiscal. Em causa estão comissões alegadamente recebidas por Juan Carlos num negócio que envolve um comboio de alta velocidade entre as cidades de Medina e Meca, na Arábia Saudita.

Leia a notícia completa no El Confidencial (acesso pago, conteúdo em espanhol).

Reuters

80 milhões de norte-americanos já votaram nas presidenciais

Mais de 80 milhões de eleitores norte-americanos já votaram nas Eleições Presidenciais dos Estados Unidos, abrindo caminho para um nível recorde de participação. Esta marca histórica reflete o elevado interesse na corrida à Casa Branca, que está a ser protagonizada pelo republicano Donald Trump (atual presidente dos EUA) e pelo democrata Joe Biden (ex-vice-presidente dos EUA). Face ao risco do agravamento da pandemia no dia oficial da eleição, muitos norte-americanos escolheram enviar o seu voto por correio ou visitar uma das urnas disponíveis para votos antecipados.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Expansión

BBVA com perdas de 15 milhões de euros até setembro

O banco BBVA registou perdas de 15 milhões de euros nos três primeiros trimestres do ano, devido à deterioração do fundo de comércio da sua filial nos EUA e das provisões para a Covid-19. Sem estes dois problemas, teria ganho 2.069 milhões de euros, indicou o banco espanhol. Em comunicado enviado à CNMV, o banco salientou que só no terceiro trimestre de 2020 ganhou 1.141 milhões de euros. Este valor representa quase mais 80% do que no segundo trimestre, graças às receitas recorrentes e à contenção de custos.

Leia a notícia completa no Expansión (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Reuters

Juul corta avaliação para dez mil milhões de dólares

A fabricante de cigarros eletrónicos Juul Labs reduziu para dez mil milhões de dólares a sua avaliação contra os anteriores 12 mil milhões, de acordo com um documento interno que o presidente executivo K.C. Crosthwaite enviou aos trabalhadores a que a Reuters teve acesso. A desvalorização resulta do período conturbado que a indústria tem passado, mas também das decisões recentes de abandonar alguns mercados e com os custos de reestruturação. A empresa estava avaliada em 38 mil milhões de dólares em dezembro de 2018, quando o grupo Altria, produtor da marca Marlboro, assumiu 35% da companhia.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livro, conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Facebook, presidenciais dos EUA e Juan Carlos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião