Hoje nas notícias: Nos, professores e estado de emergência

  • ECO
  • 30 Outubro 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Esta sexta-feira fica marcada pela nota de que a Nos vai exigir uma indemnização de 42 milhões de euros à Anacom e de que as ajudas de custo para os professores deslocados ficaram na gaveta. O arquiteto Tiago Mota Saraiva explica que os preços dos imóveis não baixam porque há fundos a “comprarem tudo” à espera do fim da pandemia. E uma “casta organizada” alegadamente subornou membros do Fisco, da Segurança Social e do SEF. O PSD não se deverá opor a um novo estado de emergência.

Nos exige indemnização de 42 milhões de euros à Anacom

A operadora Nos exige uma indemnização de 42 milhões de euros à Anacom no âmbito de mais um processo judicial em torno das licenças 5G da Dense Air. A operadora considera que o regulador deveria ter anulado os direitos de utilização dessas frequências, adquiridas por uma empresa em 2010, pois havia um prazo em que as mesmas teriam de ser usadas para a prestação de serviços, o que nunca aconteceu. Ora, essas licenças viriam a acabar na posse da Dense Air e as frequências coincidem com uma faixa do espetro que foi escolhida para albergar o 5G, mas a Anacom decidiu não retirar essas licenças à empresa, optando apenas por uma reconfiguração das mesmas. Essa decisão tem sido altamente criticada pelo setor. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Ajudas de custo a professores deslocados ficaram na gaveta

O pagamento de ajudas de custo a professores deslocados, prevista no ano passado, desapareceu do Orçamento do Estado para 2021. A medida ficou na gaveta, apesar de existirem docentes que recusam colocações por não conseguirem pagar casa. Em Oeiras, o município criou mesmo uma solução alternativa de alojamento para salvaguardar estas situações. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível).

PSD não se deverá opor a novo estado de emergência

O PSD não se deverá opor se o Governo e o Presidente da República decidirem avançar para uma segunda declaração de estado de emergência, perante o evoluir da pandemia no país. Esta quinta-feira, Rui Rio reuniu a Comissão Permanente Nacional do partido, tendo ficado decidido que o partido “está preparado para debater com o Governo as iniciativas a tomar”. O partido está mesmo preparado para adotar uma postura colaborativa com o Executivo se assim for. Leia a notícia completa na TSF (acesso livre).

“Muitos portugueses só vão conseguir pagar casa aos 80 anos”

Em entrevista, o arquiteto Tiago Mota Saraiva salienta que muitos portugueses “só vão conseguir pagar casa aos 80 anos”, mas avisa que se estes deixarem de trabalhar poderão não conseguir fazê-lo. O arquiteto explica que o preço dos imóveis não baixa porque “há fundos imobiliários a comprarem tudo à espera do fim da pandemia”. Leia a notícia completa no Jornal I (link indisponível).

Fisco, Segurança Social e SEF subornados por “casta organizada”

Descrita pelo Ministério Público como uma “casta organizada ou clã”, uma rede familiar de imigração ilegal foi acusada no processo Rota do Cabo por alegadamente ter subornado responsáveis da Segurança Social, SEF e do Fisco para conseguir documentos oficiais como vistos de trabalho, autorizações de residência e até nacionalidade portuguesa com certidões de nascimento falsas. Há 35 arguidos. Entre eles está Sabirali Ramen Ali, considerado o cabecilha da referida “família”. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Nos, professores e estado de emergência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião