Ministro do Ambiente nega sobrelotação nos transportes e risco acrescido de contágio

  • Lusa
  • 2 Novembro 2020

O ministro do Ambiente nega haver sobrelotação nos transportes públicos, com risco acrescido de contágio por Covid-19.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Matos Fernandes, afirmou no parlamento que os transportes públicos são seguros, negando situações de sobrelotação ou de maior risco na transmissão da covid-19.

“Não conheço nenhum caso de sobrelotação. Há casos de maior lotação. Já agora, não conheço nenhum caso comprovado, conhecido em Portugal, de transmissão do vírus covid-19 em transporte coletivo. Ou seja, a utilização do transporte coletivo feito com máscara, com higiene, com as regras que todos conhecemos, é de facto segura e é importante que continue a ser feita”, sublinhou o governante, que tutela os transportes urbanos.

O ministro, que falava numa audição parlamentar para apreciação da proposta do Orçamento do Estado (OE) para 2021, respondia desta forma a uma pergunta da deputada do Bloco de Esquerda (BE) Isabel Pires sobre as medidas previstas pela tutela para reforçar a oferta dos transportes públicos e prevenir situações de sobrelotação.

“Aquilo que nós sabemos é que na Área Metropolitana do Porto há algumas linhas da STCP (Sociedade de Transportes Coletivos do Porto), particularmente que vêm de fora do Porto e da zona oriental, que têm de ser reforçadas. O mesmo acontece na Área Metropolitana de Lisboa, particularmente na Linha de Sintra. Muito em breve haverá notícias sobre esse reforço”, prometeu.

Ainda relativamente ao reforço dos transportes públicos, João Matos Fernandes referiu que já está assinado o contrato para a aquisição de 10 navios elétricos que integrarão a partir de 2022 a frota da Transtejo, que assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Ministro do Ambiente nega sobrelotação nos transportes e risco acrescido de contágio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião